sicnot

Perfil

Desporto

Adam Johnson recorre da sentença de prissão por assédio sexual a menor

O futebolista internacional inglês Adam Johnson recorreu hoje da sentença de seis anos de prisão por assédio sexual a uma menor de 15 anos, anúncio feito nas redes sociais.

© Andrew Yates / Reuters

"Adam interpôs recurso contra a sua punição. Obrigado a todos pelo apoio, que significa muito", escreveu, na página do facebook que segue o seu caso, no seguimento da sentença decretada pelo tribunal de Bradford, a 24 de março.

Johnson, de 28 anos, com quem o Sunderland rescindiu contrato na sequência deste processo, tinha admitido a acusação de ter beijado a menor e de a ter assediado através da internet, mas negou as outras duas acusações de atividade sexual com a rapariga.

O tribunal acabou por ilibar o jogador, que também representou o Middlesbrough, Leeds, Watford e Manchester City, em relação à mais grave das acusações de atividade sexual com a menor.

Segundo a imprensa britânica, Johnson, que foi igualmente condenado a pagar 63.000 euros ao Estado, fez um pedido para ser transferido em breve da prisão em West Yorkshire, de forma a ficar mais perto da família.

Os encontros entre Johnson e a menor ocorreram a 17 e 30 de janeiro do ano passado, depois de o ex-jogador do Sunderland ter começado a trocar mensagens nas redes sociais com a jovem, que deu a conhecer ao ex-internacional a sua idade.

Numa declaração lida pela polícia, a menor -- que não foi identificada -- afirmou sentir-se "usada" por Johnson.

A 11 de fevereiro, o Sunderland, que lhe pagava 76.000 euros por semana após o atleta ter sido libertado sob fiança, anunciou a rescisão "com efeitos imediatos" do contrato com o futebolista internacional inglês, atitude igualmente seguida pela Adidas, que o patrocinava, na sequência da sua confissão.

O caso motivou a demissão da diretora-executiva, Margaret Byrne, que lamentou a forma como geriu o caso, nomeadamente considerando que "a decisão de permitir que continuasse a representar o clube foi um erro grave".

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.