sicnot

Perfil

Desporto

Taça grega volta a ser disputada após suspensão por confrontos

O representante da FIFA Kostakis Koutsokoumnis anunciou hoje que a Taça da Grécia vai voltar a ser disputada, cumprindo o anseio da entidade que tutela o futebol internacional, após suspensão provisória da competição por confrontos.

"Chegámos a um acordo. Existe um compromisso em voltar a ter a Taça da Grécia", comunicou Koutsokoumnis, que acumula o cargo de presidente da Federação Cipriota de Futebol com as funções na FIFA, depois de reunião com o ministro do Desporto e com o presidente da Federação de Futebol helénicos.

Há um mês, o ministro do Desporto grego, Stavros Kontonis, tinha anunciado a suspensão da taça, após confrontos ocorridos na primeira mão da meia-final entre PAOK e Olympiacos, em Salónica, a 2 de março. O árbitro interrompeu o jogo por falta de condições de segurança, depois de o treinador português Marco Silva ter sido atingido por uma garrafa.

Apesar da decisão provisória, motivada por receio de um acréscimo de violência, a FIFA alertou a Grécia para a possível exclusão dos clubes e seleções do país de futuras competições internacionais, estabelecendo um prazo para a decisão oficial até 15 de abril.

Agora, o responsável da FIFA adiantou não só o recomeço da prova, como as possíveis medidas preventivas a aplicar: "Os jogos podem ser organizados fora de Atenas. Se calhar sem espetadores ou, unicamente, com crianças no recinto. Vai ser decidido na sexta-feira."

A segunda mão do jogo interrompido estava marcada para 7 de abril, com o Olympiacos a receber o PAOK, ficando agora por saber a data e o recinto da partida, mantendo-se até a possibilidade de se nomearem árbitros estrangeiros para a restante competição.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".