sicnot

Perfil

Desporto

Proprietária do Marselha coloca o clube à venda

A proprietária do Olympique de Marselha (OM), Margarita Louis-Dreyfus, colocou à venda o clube de futebol, numa carta enviada aos simpatizantes e associados a que o canal de TV BFM teve acesso e divulgou hoje.

© Gonzalo Fuentes / Reuters

"Entendo a vossa frustração de não ver OM ser capaz de competir ao mais alto nível e venho informá-los que tomei a decisão de vender o clube ao melhor investidor possível", referiu no texto Margarita Louis-Dreyfus, que partilha com o marido a propriedade do clube desde 1996.

A dona do Marselha informou, ainda, os sócios que irá informar o presidente da Câmara da cidade e os adeptos assim que selecionar o comprador do clube e fez saber que o preço "não é a primeira preocupação", mas antes a "capacidade do novo acionista principal construir uma equipa capaz de alcançar o sucesso ao mais alto nível".

A mulher de negócios de nacionalidade russa, cujo marido Robert Louis-Dreyfus morreu em 2009, explicou ter tomado esta decisão devido ao clima que rodeia o OM.

Os adeptos do clube têm pedido insistentemente nos últimos dias a saída do presidente Vincent Labrune e de Margarita Louis-Dreyfus, numa altura em que a equipa não ganha um jogo em casa desde 13 de setembro de 2015 e que está apenas seis pontos acima da 'linha de despromoção' na tabela classificativa do campeonato gaulês quando faltam cinco jornadas para o fim.

"Há sete anos que o meu marido e pai dos meus filhos, que tinha uma grande paixão pelo OM, nos deixou e, por respeito à sua memória, eu, que tinha outras tarefas e responsabilidades importantes, nunca abandonei o clube e dei o meu melhor para que atingisse o sucesso", disse a principal acionista do clube, acrescentando ter colocado a título pessoal várias dezenas de milhões de euros no clube.

Margarita Louis-Dreyfuss, regularmente visada pelos adeptos do OM em cartazes hostis, numa fase em que a equipa acumula resultados negativos, explicou a sua ausência do Vélodrome nas últimas semanas com problemas de saúde graves de um dos seus filhos.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.