sicnot

Perfil

Desporto

Criador de meldonium diz que atletas usam substância para melhorar desempenho sexual

O cientista letão Ivars Kalvinsin, que desenvolveu o meldonium, assegurou hoje que os atletas masculinos tomaram a substância recentemente banida para melhorar o seu desempenho sexual.

© Ints Kalnins / Reuters

O meldonium, habitualmente recomendado para doenças cardíacas, foi proibido do desporto em 2016, tendo já sido detetado em 172 controlos antidoping, entre os quais o da tenista russa Maria Sharapova.

Kalvinsin afirmou que os atletas tomavam meldonium "não como um potenciador do desempenho desportivo, mas para melhorar o seu desempenho sexual".

Na última semana, a Agência Mundial Antidopagem (AMA) afirmou que os atletas podem a vir a ser ilibados, caso a presença do meldonium no seu organismo seja diminuta.

A substância meldonium ficou conhecida recentemente, quando a antiga líder do 'ranking' mundial de ténis Maria Sharapova revelou ter acusado um controlo positivo para este medicamento no decorrer do Open da Austrália.

Desenvolvida na década de 1970 na antiga União Soviética, a substância servia para proteger células cardíacas, sendo, sobretudo, comercializada nos países de leste, com o objetivo de melhorar a resistência.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.