sicnot

Perfil

Desporto

Jorge Lorenzo deixa a Yamaha no final da temporada de MotoGP

A Yamaha anunciou hoje a saída do espanhol Jorge Lorenzo, atual campeão mundial de MotoGP, no final da temporada, depois de nove anos ao serviço da equipa nipónica.

© Heino Kalis / Reuters

"A Yamaha Motor Co. anuncia que o seu vínculo contratual com Jorge Lorenzo terminará no final da temporada de MotoGP de 2016, altura em que Lorenzo enfrentará novos desafios", anunciou a marca em comunicado.

A equipa garante estar "extremamente grata" pela contribuição que Jorge Lorenzo deu à marca e admite esperar "mais momentos memoráveis durante a presente temporada".

A Yahama deseja "um futuro auspicioso" a Jorge Lorenzo e assegura "total apoio" ao piloto espanhol, que procura o seu quarto título mundial na categoria rainha do motociclismo de velocidade.

Desde de que chegou à Yahama, em 2008, Lorenzo conseguiu três títulos mundiais (2010, 2012 e 2015), tendo vencido 41 corridas e subido 99 vezes ao pódio, em 141 provas.

Segundo o jornal italiano Gazzeta Dello Sport, a Ducati deverá anunciar ainda hoje a contratação de Jorge Lorenzo.

Em meados de março, a Yahama anunciou o prolongamento do contrato, até 2018, com o italiano Valentino Rossi, detentor de sete títulos mundiais de MotoGP.

Lusa

  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.