sicnot

Perfil

Desporto

Jorge Lorenzo vai competir pela Ducati

O campeão do mundo de MotoGP, o espanhol Jorge Lorenzo, vai trocar a Yamaha pela Ducati, pela qual competira em 2017 e 2018, anunciou hoje a escuderia italiana.

"Sempre respeitei o Jorge [Lorenzo], ele respeitou-me um pouco menos. Espero que agora o respeito seja mútuo", disse Rossi (D). (Arquivo)

"Sempre respeitei o Jorge [Lorenzo], ele respeitou-me um pouco menos. Espero que agora o respeito seja mútuo", disse Rossi (D). (Arquivo)

© Issei Kato / Reuters

"A Ducati anuncia que chegou a acordo com Jorge Lorenzo graças ao qual o piloto espanhol vai representar a marca no Campeonato do Mundo de MotoGP em 2017 e 2018, na Ducati Desmosedici GP da Ducati Team", revelou a marca.

Além do título que ostenta, o maiorquino foi também campeão do mundo em 2010 e 2012, sempre pela Yamaha, pela qual se estreou em MotoGP em 2008, tendo vencido 41 corridas e subido 99 vezes ao pódio, em 141 provas.

Na atual temporada, e após três provas, Lorenzo ocupa a segunda posição do campeonato, com uma vitória, sendo que no próximo fim-de-semana competirá em casa, em Espanha no circuito de Jerez de la Frontera.

Com esta contratação, a Ducati espera voltar a lutar por títulos mundiais que lhe fogem desde 2007, na altura alcançado pelo australiano Casey Stoner.

Esta época a Ducati conta com Andrea Dovizioso e Andrea Iannone e até ao momento conseguiu dois pódios em três corridas: a equipa ainda não revelou qual deles sairá para compensar a entrada do espanhol.

A Yamaha já confirmou que continuará com Valentino Rossi, sete vezes campeão do Mundo de MotoGP e que que recentemente renovou o seu contrato com a marca japonesa até 2018, faltando agora revelar quem será o seu parceiro a partir de 2017.

Além dos três títulos mundiais em MotoGP, Jorge Lorenzo foi campeão de 250 cc em 2006 e 2007.

Lusa

  • Suspeito de atropelamento mortal na Luz confessou que esteve no local
    0:45
  • Corrida à Agência Europeia Medicamento "não é fácil", admite Costa
    0:50

    Brexit

    António Costa confirmou a apresentação da candidatura para a transferência da agência europeia do medicamento de Londres para Portugal. À margem da cimeira extraordinário sobre o Brexit, o primeiro-ministro salientou a importância da instalação do instituto no país para reforçar a competitividade no setor