sicnot

Perfil

Desporto

Antiga piloto de Fórmula 1 defende Bernie Ecclestone

A antiga piloto de testes britânica Susie Wolff defendeu esta quarta-feira o seu compatriota e patrão da Fórmula 1 Bernie Ecclestone, que na terça-feira defendeu que as mulheres "não têm capacidades físicas" para conduzir na modalidade rainha do automobilismo.

© Phil Noble / Reuters

"Depois de escutar os comentários de Bernie [Ecclestone] e de falar com ele, é para mim claro que partilhamos o mesmo objetivo", escreveu Wolff, na rede social Twitter.

Wolff, a última mulher presente na Fórmula 1, apontou que Ecclestone aceitou na semana passada integrar a iniciativa 'Dare to be Different', que visa aumentar o número de mulheres piloto, dentro e fora da modalidade.

"[Ecclestone] Nunca deixou de me apoiar no meu projeto de me tornar piloto titular. Para mim, as ações falam mais alto do que as palavras. 'Dare to be Different' é dirigido a mulheres piloto com talento e Bernie está connosco", acentuou.

Susie Wolff retirou-se em novembro do ano passado, depois de ter sido piloto de ensaios na escuderia Williams.

Bernie Eccleston, diretor executivo da Fórmula One Management (FOM), afirmou na terça-feira que as mulheres "não têm capacidades físicas" para conduzir um carro de Fórmula 1.

"Não creio que as mulheres tenham as capacidades físicas para conduzir rapidamente um Fórmula 1 e não seriam levadas a sério", comentou o responsável, à margem de um congresso em Londres.

Eccleston, de 85 anos, anteviu, contudo, que aumentará no futuro o número de mulheres em lugares de direção em todos os domínios, já que "são mais competentes" e "não têm egos desmesurados".

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras