sicnot

Perfil

Desporto

Tondela vai contestar castigo aplicado a Petit

O presidente do Tondela, Gilberto Coimbra, avançou hoje que o departamento jurídico do clube vai contestar a suspensão de 25 dias que o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) aplicou ao treinador Petit.

"É uma injustiça e é no mínimo ridícula esta decisão! Já não há nada a fazer quanto ao jogo, já acabou, mas quanto ao castigo não posso concordar com ele: não pode haver dois pesos e duas medidas, comparando com outros treinadores que são mais do que reincidentes", referiu.

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol aplicou, na segunda-feira, ao treinador do Tondela uma suspensão de 25 dias e uma multa de 1.530 euros, por ter sido excluído do jogo com o Sporting de Braga (3-0).

Em conferência de imprensa, o presidente do Tondela apontou o dedo ao árbitro da partida de Braga, Tiago Antunes, por ter induzido em erro o conselho disciplinar, deturpando o que se terá passado na partida da 30.ª jornada da I Liga de futebol.

"É bom que se saiba e as imagens também o dizem, basta vê-las e ler os lábios daquilo que o Petit diz. Diz [o árbitro] que o Petit gesticulou tremendamente, com palavras cheias de ofensas ao quarto árbitro, quando ele nem chega a tirar as mãos dos bolsos", sustentou.

Gilberto Coimbra admitiu que tem consciência que o Tondela não tem o peso de outros clubes como Benfica, Sporting, FC Porto ou Braga, no entanto, exige o mesmo tratamento em termos legais.

"O senhor doutor Pedro Proença já tinha dito que está a pensar tomar posição sobre a vergonha que o nosso futebol está a passar, sobretudo naquilo que se diz todos os dias, com insultos do dirigismo. O senhor doutor Pedro Proença tem de ter muito cuidado, em saber por ordem e mão nisto enquanto é tempo, para que clubes como o Tondela ou do mesmo nível sejam tratados de igual forma relativamente a outros", acrescentou.

Gilberto Coimbra aludiu ainda ao facto de ter sido nomeado um árbitro da Associação de Futebol de Coimbra para a partida de Braga.

"Neste caso não culpo diretamente o senhor árbitro Tiago Antunes, porque competia ao Conselho de Arbitragem saber que árbitro iria nomear para o jogo do Tondela, tendo em conta a própria classificação", evidenciou.

O presidente dos 'auriverdes' mostrou-se "arrependidíssimo" de não ter falado sobre esta nomeação antes da partida.

"Eventualmente não estaria aqui a discutir as falhas se o árbitro fosse de Braga, Viana ou Algarve. O que é certo é que é de Coimbra e se foi por falha ou não, só ele saberá", concluiu.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.