sicnot

Perfil

Desporto

Blatter diz que está de consciência tranquila

O ex-presidente da FIFA Joseph Blatter assegurou hoje que tem a consciência tranquila e que não cometeu "nenhum delito" enquanto principal responsável pelo organismo máximo do futebol mundial, a que presidiu de 1998 a 2015.

© Arnd Wiegmann / Reuters

"Não cometi nenhum delito. Convivo perfeitamente com tudo isto porque estou de consciência tranquila", assinalou, na apresentação da sua biografia, intitulada "Sepp Blatter. Missão e paixão pelo futebol".

Joseph Blatter foi inicialmente suspenso na liderança da FIFA pelo Comité de Ética da organização em outubro do ano passado, na sequência do escândalo de corrupção que abalou a instituição, tendo sido depois suspenso por seis anos de todas as atividades ligadas ao futebol pelo Tribunal Arbitral do Desporto (TAD), sanção de que recorreu.

Blatter, de 79 anos, e Michel Platini, presidente da UEFA, foram punidos a 21 de dezembro último por causa de um pagamento por parte do primeiro ao segundo de 1,8 milhões de euros por um alegado trabalho de conselheiro acordado em 2002, sem contrato escrito.

A FIFA entendeu que o acordo firmado entre os dois dirigentes "não tem base legal" e sancionou por isso ambos em igual medida.

"Sofri, mas não sofro mais", afirmou Blatter, comentando que "a paixão de Cristo também era sofrimento".

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.