sicnot

Perfil

Desporto

Treinador da Académica diz que é preciso sofrer para ganhar ao FC Porto

O treinador da Académica, Filipe Gouveia, disse hoje que a sua equipa vai ter de saber sofrer para ganhar na receção ao FC Porto, no sábado, em jogo da 31.ª jornada da I Liga de futebol.

"Cada jogo é um jogo e eu acredito piamente que podemos ganhar ao Porto. Vamos ter de saber sofrer, de ser guerreiros, como temos sido até aqui, e ter a ajuda do nosso público, que na última jornada, em Belém, nos ajudou em 90% a conquistar aquele ponto", referiu o técnico.

Filipe Gouveia, que falava na conferência de imprensa de antevisão à partida, disse que espera um adversário "forte, igual a si próprio, com jogadores de muita qualidade".

"Tiveram três jogos menos conseguidos, mas estou à espera de um Porto forte como esteve no último jogo frente ao Nacional", sublinhou o timoneiro academista, que pretende ver a sua equipa, penúltima da Liga, a "jogar o jogo pelo jogo", embora com "cautelas defensivas, como é normal".

Salientando que aparentemente só a vitória interessa, o treinador considera que, com o desenrolar do encontro, um ponto pode ser "saboroso, dependendo do resultado dos nossos adversários diretos [Boavista e o União da Madeira]", que estão a dois pontos de distância.

"Temos as nossas armas e vamos explorar os pontos fracos do FC Porto e aproveitar as fases do jogo em que vamos estar por cima para tentarmos marcar e sermos consistentes os 90 minutos", referiu Filipe Gouveia.

A 'briosa', que vem de um empate fora de casa com o Belenenses (1-1), encontra-se em posição de descida, com 24 pontos, menos dois do que o Boavista e União da Madeira, que se encontram nos lugares imediatamente a seguir, fora da zona de despromoção.

A Académica, 17.ª e penúltima classificada, com 24 pontos, e o FC Porto, terceiro do campeonato, com 64, defrontam-se no sábado, a partir das 16:15, no Estádio Cidade de Coimbra, com arbitragem de Nuno Almeida, da Associação de Futebol do Algarve.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.