sicnot

Perfil

Desporto

Insultos racistas a Koulibaly interditam bancada do Inter Milão

O Inter de Milão foi punido com a interdição de parte do estádio, devido a insultos racistas dos seus adeptos ao futebolista Kalidou Koulibaly, do Nápoles, anunciaram os responsáveis da Série A.

© Ciro Luca / Reuters

Koulibaly foi vítima de insultos por parte dos adeptos que se encontravam na curva norte do Estádio de San Siro quando, a 16 de abril, o Inter recebeu o Nápoles, em jogo da 33.ª jornada em que venceu por 2-0.

A Série A costuma penalizar nos dias seguintes este tipo de incidentes, mas, de acordo com os seus responsáveis, o castigo apenas acontece agora devido "a problemas técnicos".

Assim, o Inter terá interdita uma parte da secção três do estádio no seu próximo jogo em casa, no sábado, frente à Udinese, da 35.ª ronda, e terá que pagar 15.000 euros de multa.

Não é a primeira vez nesta temporada que o defesa senegalês do Nápoles é alvo de comportamento racistas, uma situação pela qual passou igualmente em fevereiro, por parte dos adeptos da Lazio.

Lusa

  • Detido dono do cão que feriu criança com gravidade

    País

    O dono do cão de raça Rottweiler que esta terça-feira feriu com gravidade uma criança de 4 anos em Matosinhos foi detido pela PSP e o animal já foi recolhido no canil municipal, informou fonte oficial da autarquia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.