sicnot

Perfil

Desporto

Nadal processa ex-ministra francesa que o acusou de doping

O tenista espanhol Rafael Nadal interpôs hoje uma queixa por difamação contra Roselyne Bachelot, antiga ministra do Desporto de França, que em março o acusou de ter parado de jogar durante sete meses por doping.

Rafael Nadal durante o primeiro round do Open da Austrália enquanto jogava frente ao espanhol Fernando Verdasco. Nadal foi afastado logo no primeiro round, num jogo considerado épico

Rafael Nadal durante o primeiro round do Open da Austrália enquanto jogava frente ao espanhol Fernando Verdasco. Nadal foi afastado logo no primeiro round, num jogo considerado épico

© Thomas Peter / Reuters

Nadal, que já tinha feito saber que iria processar a ex-ministra francesa, confirmou a entrega da queixa em tribunal num comunicado enviado à agência noticiosa EFE.

"Interpus hoje, 25 de abril de 2016, num tribunal de Paris uma queixa por difamação", refere o comunicado do atual número cinco da hierarquia mundial do ténis.

A 08 de março, durante um programa num canal televisivo francês, Bachelot acusou Nadal de se ter dopado e de ser essa a razão para a paragem do tenista por sete meses, em 2012, quando este alegou lesão.

No comunicado, Nadal explicou que pretende não só defender a sua "integridade e imagem como desportista", mas também os valores que lhe transmitiram ao longo de uma carreira que conta com 69 títulos.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.