sicnot

Perfil

Desporto

Obras para os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro já provocaram 11 mortos

As obras realizadas para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, realizadas entre janeiro de 2016 e março último, causaram a morte de onze operários, segundo um relatório divulgado esta segunda-feira.

© Sergio Moraes / Reuters

De acordo com o levantamento, feito pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro e citado pela imprensa local, a linha 4 do metropolitano registou o maior número de mortes: três.

Outros acidentes ocorreram nas obras circundantes do Parque Olímpico, no Museu da Imagem e do Som, no Museu do Amanhã, nas obras de ampliação do Elevado de Joá, na Nova Subida da Serra, na Supervia e na Transolímpica.

Elaine Castilho, auditora fiscal e coordenadora do trabalho de fiscalização, acrescentou que houve ainda dois casos de acidentes graves, nomeadamente um choque elétrico no Parque Olímpico e uma amputação da perna de outro funcionário na Transbrasil.

"É um time (equipa) de futebol de mortos. Isso tudo causado por falta de planeamento, sem dúvida. É a correria na hora de finalizar", lamentou.

A Superintendência realizou 260 ações de fiscalização, com 1.675 autos de infração e 38 interdições e embargos.

Segundo o superintendente do Trabalho e Emprego do Rio, Robson Leite, citado pelo jornal Globo, os motivos das mortes são "falta de planeamento e corrida para cumprir o cronograma (de obras)".

"Acidente não acontece por acaso. Acontece por negligência, ou por falta de prevenção. A prefeitura (autarquia) vem falhando em relação à segurança do trabalho. Você tem que ter o Estado impedindo que as pessoas morram", referiu.

Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro realizam-se entre os dias 05 e 21 de agosto.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.