sicnot

Perfil

Desporto

Jéssica Augusto acredita merecer lugar na maratona do Rio2016

A atleta Jéssica Augusto disse hoje que merecia participar na maratona dos Jogos Olímpicos Rio2016, mas que aceitará qualquer decisão da Federação Portuguesa de Atletismo.

© Phil Noble / Reuters

No domingo, na maratona de Londres, Jéssica Augusto conseguiu mínimos para o Rio2016, com 2:28.53 horas, mas tem apenas o quarto tempo entre as cinco portuguesas com marca olímpica, atrás de Sara Moreira (2:24.49), Dulce Félix (2:25.15) e Filomena Costa (2:28.00) e à frente de Vanessa Fernandes (2:31.25), havendo vaga para apenas três.

"Ainda tenho esperança de estar nos Jogos Olímpicos, não me cabe a mim decidir. Se fosse eu a decidir já tinha tomado a decisão. Penso que mereço, tanto eu como a Filomena, o lugar. Cabe à federação decidir", afirmou.

Recordando a maratona de Londres, Jéssica Augusto revelou que "naquele dia tudo correu mal", mas a partir dos 15 quilómetros começou a sentir-se "indisposta, a nível intestinal".

"Parei aos 18 quilómetros, depois fiz o mais difícil, que foi voltar à competição, voltar a encontrar o ritmo. Já passei na meia maratona muito atrasada, não conseguiu fazer os abastecimentos e numa maratona a hidratação é muito importante. Tinha frio... Limitei-me a terminar, que achei que era o mais importante (...). Fiquei feliz por conseguir os mínimos 10 meses depois de ser mãe, o que não é para todos", referiu.

Sétima na maratona em Londres2012, Jéssica Augusto relembra que tinha planeado preparar-se para o Rio de Janeiro, "independentemente da opção de ser mãe ou não", pois tinha na sua "ambição de carreira ser olímpica mais uma vez pelo menos e na maratona com ambições mais altas".

"Sem prometer medalhas, mas o objetivo sempre foi voltar a pisar um palco olímpico e lutar por uma melhor classificação", afirmou.

Jéssica Augusto considera que é "desagradável" estar nesta situação de não saber se vai participar nos Jogos e lembrou que tem melhor marca pessoal do que Filomena Costa, reconhecendo que o sétimo lugar há quatro anos não deve pesar.

"Já passaram quatro anos. Não sei o que vai pesar, não sei a posição que vão tomar. Eu estou cá para servir Portugal e irei respeitar a decisão da Federação", assegurou.

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33