sicnot

Perfil

Desporto

Treinador do Vitória quer pontuar em jogo de "dificuldade máxima" com Benfica

O treinador do Vitória de Guimarães, Sérgio Conceição, afirmou hoje que a sua equipa quer pontuar frente ao líder Benfica, em "jogo extremamente difícil" que abre a 32.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, na sexta-feira.

O técnico dos vimaranenses, equipa que atravessa uma série de 11 jogos sem vencer no campeonato, frisou que o encontro com a turma 'encarnada' vai ser "de dificuldade máxima", tanto pelo "trajeto em crescendo" que lhe permite estar perto de ser tricampeã, como pelas 60 mil pessoas que estarão a torcer pelo adversário no Estádio da Luz.

"O clube, a equipa técnica, os próprios jogadores sabem que vamos fazer de tudo para dignificar a camisola do Vitória. O objetivo passa por conquistar pontos na Luz para inverter este ciclo menos bom que estamos a passar", disse, acrescentando que, caso não acreditasse, faria como o PAOK fez contra o Olympiacos, faltando ao jogo da meia-final da Taça de Grécia, na quarta-feira.

Sérgio Conceição destacou ainda, sobre o ambiente em torno da partida, que este é o tipo de jogo de que um jogador deve desfrutar, sabendo da responsabilidade que tem de ter para inverter este ciclo negativo, e que o público é sempre importante, apesar de não ser fundamental.

"Determinante será os jogadores que estão dentro de campo. É um fator importante, porque eu digo que jogámos sempre em todos os estádios com o nosso público. Já tivemos esse caso em inferioridade numérica em que o público nos levou a tirar pontos desse jogo", considerou.

O timoneiro dos minhotos rejeitou ainda que a pressão da luta pelo título possa afetar o rendimento encarnado e beneficiar o Vitória, defendendo que a pressão, no futebol, é diária e existe para os dois lados, sendo que "cada jogo tem uma história diferente".

"Um momento do jogo pode ditar o sucesso ou o insucesso do mesmo jogo: um lance de bola parada pode ditar ou um erro aos 90 minutos. Temos de estar preparados para, nesses momentos, aproveitar", antecipou.

A formação vitoriana apareceu, na partida anterior, frente ao Estoril, com um 3x5x2 inédito nesta época, com o treinador a justificar que era "o melhor sistema para defrontar o Estoril", embora não tenha revelado se vai ou não entrar com o mesmo sistema frente às 'águias'.

" Essas questões do sistema dependem da forma como os jogadores os interpretam. Jogar com três centrais não quer dizer que se seja mais ou menos defensivo. Depende do que se quer dos alas que jogarem a laterais", explicou.

O técnico desvalorizou ainda o conhecimento que Rui Vitória, antigo treinador dos vimaranenses, possa ter sobre os seus jogadores, dizendo que as análises aos adversários são feitas ao pormenor, tanto a nível individual como coletivo.

"É importante esse conhecimento, mas não é decisivo. Os adversários conhecem a forma de jogar do Benfica e tentam contrariar a dinâmica ofensiva que a equipa tem. Passa pelo conhecimento das equipas e da motivação de jogar contra uma equipa forte, bicampeã em Portugal", disse.

Sérgio Conceição lamentou ainda a referência constante da imprensa aos 11 jogos sem vencer da sua equipa, lembrando as prestações alcançadas no Olhanense, na Académica e no Sporting de Braga, e recusou comentar a nomeação do árbitro Bruno Paixão, dizendo que o setubalense, até agora, teve jogos bem conseguidos com os vimaranenses.

"Não falo, porque fui mal interpretado num jogo com o Benfica em casa, quando disse que ia ser difícil para as três equipas. O Carlos Xistra levou a mal, e, no final do jogo, justificou-me o porquê de ter dito aquelas palavras. Se tiver de falar no final e houver algum erro, vou falar", esclareceu.

O Vitória de Guimarães, 11.º classificado, com 36 pontos, defronta o Benfica, líder do campeonato, com 79, pelas 19:00 de sexta-feira, no Estádio da Luz, em jogo que será arbitrado por Bruno Paixão, da associação de Setúbal.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.