sicnot

Perfil

Desporto

Feridos no Rali de Santo Tirso não terão sido atingidos pelo veículo em despiste

O presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting disse hoje estar "em parte aliviado" por informações segundo as quais os espetadores hoje feridos no Rali de Santo Tirso não foram atingidos pelo veículo que se despistou.

"Pelas informações que tenho, o carro não embateu nos feridos, que estavam num sítio considerado de segurança. [Os espetadores] assustaram-se, desequilibraram-se ou caíram e magoaram-se, mas não houve contacto entre a viatura e as pessoas, o que para mim era o mais importante", afirmou Manuel Mello Breyner em declarações à agência Lusa.

Contactado pela Lusa na sequência do incidente ocorrido ao início da tarde de hoje no Rali de Santo Tirso - onde pelas 14:50 um dos veículos em prova se despistou em Monte Córdova, durante a 5.ª e última prova do rali no percurso era Assunção/Valinhas, causando ferimentos ligeiros em seis espetadores -- o dirigente federativo lamentou que só haja "eco sobre o desporto automóvel quando ocorrem acidentes".

Na opinião de Manuel Mello Breyner, não tem contudo havido "nenhum acréscimo de perigo" nas provas automóveis que," pelo contrário, têm estado bastante sossegadas".

"O público tem-se comportado bem e não tem havido grandes acidentes. Agora aconteceu este, num rali que tem uma grande lista de inscritos, numa zona de grandes aficionados e que tem muito público... mas isto acontece, faz parte do desporto. Desde que ninguém se magoe...é o mais importante", sustentou.

Para o ex-piloto de ralis e atual presidente da FPAK, a realidade é que "as provas estão mais seguras" e "o público, regra geral, segue as indicações", mas "o desporto automóvel é perigoso" e há sempre uma componente que "não se consegue controlar".

Até porque, notou, "as forças policiais concentram-se nos sítios onde existe mais público e fazem o seu papel", mas "todos procuram sempre aquele sítio que acham que é melhor para ver" e "não pode haver um polícia para cada espetador".

"O Rali de Portugal tem dado excelentes exemplos de bom controlo de público e de boa segurança, mas nunca se consegue controlar toda a gente, há sempre aqueles que gostam de desafiar e de ir para um sítio onde ninguém espera que vão. Não foi o caso hoje, mas há sempre essa tentação. É um bocadinho como as largadas de touros em Pamplona: as pessoas gostam sempre de desafiar um bocadinho o perigo e essas pessoas correm mais riscos do que as outras", disse.

Ainda assim, Mello Breyner entende que, "de uma maneira geral, o público está bastante mais disciplinado e consciente do perigo do desporto automóvel, tanto para quem pratica como para quem assiste".

Lusa

  • "Serei o Presidente de todos os angolanos"
    2:06
  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Supervisão bancária origina novo diferendo entre Carlos Costa e Governo
    0:57

    Economia

    Reacendeu-se a guerra entre o Governo e o governador do Banco de Portugal. Em conferência na sede do banco, esta segunda-feira, Carlos Costa deixou uma crítica indireta ao novo modelo de supervisão bancária. O ministro das Finanças, Mário Centeno, não gostou e exigiu a Carlos Costa que se retratasse, mas o governador recusou-se.

  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.