sicnot

Perfil

Desporto

Feridos no Rali de Santo Tirso não terão sido atingidos pelo veículo em despiste

O presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting disse hoje estar "em parte aliviado" por informações segundo as quais os espetadores hoje feridos no Rali de Santo Tirso não foram atingidos pelo veículo que se despistou.

"Pelas informações que tenho, o carro não embateu nos feridos, que estavam num sítio considerado de segurança. [Os espetadores] assustaram-se, desequilibraram-se ou caíram e magoaram-se, mas não houve contacto entre a viatura e as pessoas, o que para mim era o mais importante", afirmou Manuel Mello Breyner em declarações à agência Lusa.

Contactado pela Lusa na sequência do incidente ocorrido ao início da tarde de hoje no Rali de Santo Tirso - onde pelas 14:50 um dos veículos em prova se despistou em Monte Córdova, durante a 5.ª e última prova do rali no percurso era Assunção/Valinhas, causando ferimentos ligeiros em seis espetadores -- o dirigente federativo lamentou que só haja "eco sobre o desporto automóvel quando ocorrem acidentes".

Na opinião de Manuel Mello Breyner, não tem contudo havido "nenhum acréscimo de perigo" nas provas automóveis que," pelo contrário, têm estado bastante sossegadas".

"O público tem-se comportado bem e não tem havido grandes acidentes. Agora aconteceu este, num rali que tem uma grande lista de inscritos, numa zona de grandes aficionados e que tem muito público... mas isto acontece, faz parte do desporto. Desde que ninguém se magoe...é o mais importante", sustentou.

Para o ex-piloto de ralis e atual presidente da FPAK, a realidade é que "as provas estão mais seguras" e "o público, regra geral, segue as indicações", mas "o desporto automóvel é perigoso" e há sempre uma componente que "não se consegue controlar".

Até porque, notou, "as forças policiais concentram-se nos sítios onde existe mais público e fazem o seu papel", mas "todos procuram sempre aquele sítio que acham que é melhor para ver" e "não pode haver um polícia para cada espetador".

"O Rali de Portugal tem dado excelentes exemplos de bom controlo de público e de boa segurança, mas nunca se consegue controlar toda a gente, há sempre aqueles que gostam de desafiar e de ir para um sítio onde ninguém espera que vão. Não foi o caso hoje, mas há sempre essa tentação. É um bocadinho como as largadas de touros em Pamplona: as pessoas gostam sempre de desafiar um bocadinho o perigo e essas pessoas correm mais riscos do que as outras", disse.

Ainda assim, Mello Breyner entende que, "de uma maneira geral, o público está bastante mais disciplinado e consciente do perigo do desporto automóvel, tanto para quem pratica como para quem assiste".

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.