sicnot

Perfil

Desporto

João Sousa desce um lugar no "ranking" e fica em 35º

O tenista português João Sousa caiu um lugar no "ranking" mundial, surgindo hoje na 35.ª posição da hierarquia, liderada confortavelmente pelo sérvio Nova Djokovic.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Uma semana depois de ter entrado pela primeira vez no 'top-100', Gastão Elias voltou a 'promover-se' no 'ranking', figurando agora em 93.º lugar, uma posição acima relativamente à segunda-feira passada.

Frederico Silva, que fecha o 'pódio' português na classificação mundial, manteve a posição 249, enquanto Pedro Sousa desceu 13 lugares, para 381.º.

Os quatro melhores portugueses na classificação ATP foram todos eliminados à primeira no Estoril Open, que terminou domingo com a vitória do espanhol Nicolas Almagro, que deu um 'salto' de 23 lugares no 'ranking', reentrando hoje no 'top-50', em 48.º.

Na elite dos 10 melhores do mundo, a única 'mexida' foi protagonizada pelo canadiano Milos Raonic, que voltou a entrar no 'clube', sendo agora 10.º.

O francês Richard Gasquet, uma das grandes ausências no Estoril Open, saiu deste grupo, caindo para 12.º, já que perdeu os pontos conquistados com a vitória na edição de 2015 do torneio português.

Tal como sucede em masculinos, também o 'ranking' mundial feminino continua a ser liderado com larga vantagem pela norte-americana Serena Williams, enquanto a portuguesa Michelle Larcher de Brito continua a descer na lista mundial, ocupando hoje a posição 243, que representa uma queda de sete lugares.

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.