sicnot

Perfil

Desporto

Pedro Proença quer tranquilidade e contenção até ao final da temporada

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, desejou hoje que as últimas jornadas das competições que o organismo tutela sejam marcadas por mais tranquilidade e contenção.

"A palavra que quero deixar é de tranquilidade, que se dê espaço ao que o nosso futebol tem de melhor, que são os atletas, os técnicos e os árbitros. Peço alguma tranquilidade e capacidade de contenção para dar palco aos verdadeiros artistas que são os futebolistas", afirmou.

O dirigente, que falava à margem de uma ação da 'Campanha Guerreiros Solidários', uma iniciativa do Sporting de Braga que visa angariar 50 toneladas de alimentos não perecíveis até 20 de maio para apoiar as ações internacionais de auxílio aos refugiados, não quis comentar a 'Operação Matrioska', levada a cabo pela Polícia Judiciária (PJ) nas SAD da União de Leiria, Benfica, Sporting e Sporting de Braga.

"A atividade judicial fará o seu trabalho com independência e só esperamos que cheguem rapidamente a conclusões", disse.

António Salvador não quis também comentar a operação da PJ, que realizou buscas à SAD minhota, remetendo para o comunicado já tornado público.

O dirigente afirmou ainda que a arbitragem do jogo com o Benfica, segunda-feira, que ditou o afastamento da final da Taça da Liga, não justifica tudo.

"É tempo de refletir, de parar e olhar para dentro, ver o que está menos bem, corrigirmos e prepararmo-nos para os três jogos que faltam. Se podemos melhorar? Se for em relação ao último jogo, é evidente que sim, mas os jogos são todos diferentes. Temos de nos focar já no jogo de Coimbra, depois no jogo com o Sporting, até porque poderá estar em causa a verdade desportiva do campeonato e o Braga tem que zelar por essa verdade. Só depois pensaremos na final da Taça de Portugal", disse o presidente 'arsenalista'.

Salvador recusou comentar as palavras do presidente do FC Porto, Pinto da Costa, que desejou não ter Artur Soares Dias como árbitro no Jamor, afirmando que, na final, devem estar os melhores, equipa de arbitragem incluída. O dirigente bracarense considerou que o 'juiz' da associação do Porto "é um dos melhores".

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.