sicnot

Perfil

Desporto

Sporting lamenta morte de Paulo Paraty, "uma referência da arbitragem portuguesa"

O Sporting lamentou hoje, em comunicado, a morte de Paulo Paraty, vítima de doença prolongada, considerando que partiu "uma referência da arbitragem portuguesa".

"O Sporting Clube de Portugal manifesta o seu profundo pesar pelo falecimento de Paulo Paraty, uma referência da arbitragem portuguesa", lê-se numa nota no site dos 'leões'.

Paulo Paraty, que morreu hoje no Porto, aos 53 anos, foi árbitro de futebol durante 27 anos, chegando a ostentar as insígnias de internacional da FIFA.

Joaquim Paulo Gomes Paraty da Silva, portuense, iniciou a sua atividade na arbitragem em 1981/82, sendo promovido à 1.ª categoria 10 épocas depois (1991/92) e estreando-se no escalão principal para dirigir o Famalicão-Feirense, que a equipa da casa venceu por 1-0.

Ao todo, foram 17 épocas e 218 jogos arbitrados na primeira divisão, aos quais juntou 20 na Taça de Portugal, 40 no escalão secundário, dois na fase de qualificação do Europeu, um na mesma fase de um campeonato do Mundo e outro na Liga dos Campeões.

No seu currículo consta ainda a presença na final da Taça de Portugal de 96/97, em que o Boavista venceu o Benfica, por 3-2.

Engenheiro eletrónico de formação, Paulo Paraty foi, tal como o seu pai, nomeado sócio de mérito da Federação Portuguesa de Futebol em junho de 2015, passou pela televisão como comentador desportivo e chegou a ensaiar uma candidatura à Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), em 2012.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.