sicnot

Perfil

Desporto

Vítor Pereira expressa "enorme tristeza" pela morte de Paulo Paraty

O presidente do Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Vítor Pereira, expressou hoje a sua "enorme tristeza" pelo falecimento do antigo árbitro Paulo Paraty, com quem fez "um percurso coincidente".

Paulo Paraty, ex-árbitro de futebol.

Paulo Paraty, ex-árbitro de futebol.

Vítor Pereira fala de um desfecho "esperado há algum tempo" devido à doença de que padecia e da "enorme tristeza" que sente pela partida de um colega com quem teve "um percurso coincidente" e com quem "fez equipa" em Portugal e no estrangeiro.

"Fizemos jogos juntos em Portugal e no estrangeiro, fomos colegas de muitas atividades e lutas, dirigentes da APAF [Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol], homólogos -- ele foi dirigente do núcleo Francisco Guerra, eu do núcleo Américo Barradas", lembrou Vítor Pereira, para quem Paulo Paraty "foi árbitro até ao fim" e uma pessoa que "sempre respeitou e amou o futebol e a arbitragem".

O presidente do CA recordou ainda que o árbitro portuense continuava a comentar a arbitragem até há bem pouco tempo, apesar das dificuldades, e elogiou a sua "conduta exemplar enquanto ser humano e chefe de família" e endereçou aos pais, irmãos, companheira e filhos "as mais sentidas condolências".

Paraty, hoje falecido no Porto, vítima de doença, foi árbitro de futebol durante 27 anos, chegando a ostentar as insígnias de internacional da FIFA.

Joaquim Paulo Gomes Paraty da Silva, portuense, tinha 53 anos e iniciou a sua atividade na arbitragem em 1981/82, sendo promovido à 1.ª categoria 10 épocas depois (1991/92), estreando-se no escalão principal para dirigir o Famalicão-Feirense, que a equipa da casa venceu por 1-0.

Ao todo, foram 17 épocas e 218 jogos arbitrados na primeira divisão, aos quais juntou 20 na Taça de Portugal, 40 no escalão secundário, dois na fase de qualificação do Europeu, um na mesma fase de um campeonato do Mundo e outro na Liga dos Campeões.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.