sicnot

Perfil

Desporto

Vítor Pereira expressa "enorme tristeza" pela morte de Paulo Paraty

O presidente do Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Vítor Pereira, expressou hoje a sua "enorme tristeza" pelo falecimento do antigo árbitro Paulo Paraty, com quem fez "um percurso coincidente".

Paulo Paraty, ex-árbitro de futebol.

Paulo Paraty, ex-árbitro de futebol.

Vítor Pereira fala de um desfecho "esperado há algum tempo" devido à doença de que padecia e da "enorme tristeza" que sente pela partida de um colega com quem teve "um percurso coincidente" e com quem "fez equipa" em Portugal e no estrangeiro.

"Fizemos jogos juntos em Portugal e no estrangeiro, fomos colegas de muitas atividades e lutas, dirigentes da APAF [Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol], homólogos -- ele foi dirigente do núcleo Francisco Guerra, eu do núcleo Américo Barradas", lembrou Vítor Pereira, para quem Paulo Paraty "foi árbitro até ao fim" e uma pessoa que "sempre respeitou e amou o futebol e a arbitragem".

O presidente do CA recordou ainda que o árbitro portuense continuava a comentar a arbitragem até há bem pouco tempo, apesar das dificuldades, e elogiou a sua "conduta exemplar enquanto ser humano e chefe de família" e endereçou aos pais, irmãos, companheira e filhos "as mais sentidas condolências".

Paraty, hoje falecido no Porto, vítima de doença, foi árbitro de futebol durante 27 anos, chegando a ostentar as insígnias de internacional da FIFA.

Joaquim Paulo Gomes Paraty da Silva, portuense, tinha 53 anos e iniciou a sua atividade na arbitragem em 1981/82, sendo promovido à 1.ª categoria 10 épocas depois (1991/92), estreando-se no escalão principal para dirigir o Famalicão-Feirense, que a equipa da casa venceu por 1-0.

Ao todo, foram 17 épocas e 218 jogos arbitrados na primeira divisão, aos quais juntou 20 na Taça de Portugal, 40 no escalão secundário, dois na fase de qualificação do Europeu, um na mesma fase de um campeonato do Mundo e outro na Liga dos Campeões.

Lusa

  • Governo prepara projeto para suavizar transição para a reforma
    1:38

    Economia

    O Governo quer suavizar a transição do trabalho para a reforma. A ideia é que essa passagem seja feita gradualmente e não de um dia para o outro, o que pode ser mais traumático. O projeto prevê a possilidade de o trabalhador cumprir meio horário e acumular com meia pensão.

  • Portugal pode perder parte dos fundos comunitários
    2:21

    Economia

    Portugal arrisca-se a perder parte dos fundos comunitários atribuídos ao país, se não acelerar a execução dos programas que têm comparticipação de Bruxelas. A notícia é avançada pelo jornal Público, que revela que o país ainda está longe de cumprir as metas mínimas. O Executivo desdramatiza e acredita que serão cumpridas até ao final do ano. O Governo diz mesmo que Portugal deverá ser um dos países com melhores taxas de execução.

  • Proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causas do Alzheimer
    2:33

    País

    Uma proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causadoras do Alzheimer. A revelação, feita pelo prémio Nobel da Medicina de 2014, será discutida no terceiro dia da cimeira mundial sobre doenças neurodegenerativas na Fundação Champalimaud, em Lisboa. A partir de hoje, serão apresentadas novidade nas investigações científicas sobre a epidemia silenciosa, que atinge 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

  • Primeiro discurso de Costa na ONU alinhado com o de Guterres

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, proferirá hoje o seu primeiro discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, devendo estar muito alinhado com a agenda política apresentada na terça-feira pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, valorizando o multilateralismo.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.