sicnot

Perfil

Desporto

Seleção portuguesa mantém 8º lugar no "ranking" da FIFA

A seleção portuguesa de futebol manteve a oitava posição no 'ranking' da FIFA, que foi hoje divulgado e se mantém inalterado nas 53 primeiras posições, com a vice-campeã mundial Argentina intocável no comando.

© Hugo Correia / Reuters

A Bélgica e o Chile continuam a fechar o pódio, na segunda e terceira posições, respetivamente, à frente da Colômbia, quarta posicionada, e da campeã mundial Alemanha, quinta, que também conservam as posições que ocupavam a 07 de abril, data em que foi divulgado pela última vez o 'ranking'.

Entre os países lusófonos também não houve alterações, com o Brasil a manter-se como o mais bem colocado, no sétimo posto, imediatamente à frente de Portugal, enquanto Cabo Verde é 47.º, Moçambique 101.º, Guiné-Bissau 102.º, Angola 121.º, São Tomé e Príncipe 150.º e Timor-Leste 175.º.

O Burkina Faso, comandado pelo português Paulo Duarte, contiua no 75.º lugar, enquanto Gabão, cujo selecionador é Jorge Costa, conserva o 88.º posto.

Lusa

  • 10 Minutos com Eurico Reis
    11:20

    10 Minutos

    Há quatro meses que Portugal é um dos poucos países europeus onde é possível recorrer à gestação de substituição. E há já um casal que teve luz verde para começar os tratamentos. Para um balanço, foi nosso convidado Eurico Reis, juiz desembargador e presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, a entidade que autoriza os processos de gestação de substituição.

    Entrevista completa

  • A inédita entrevista do príncipe Harry a Barack Obama
    0:47

    Mundo

    Foi divulgado um vídeo pouco habitual, onde aparece o príncipe Harry a entrevistar Barack Obama para um programa de rádio. A conversa foi gravada em setembro, durante um evento desportivo para militares com deficiência, e será transmitida na íntegra no dia 27 de dezembro.

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01
  • Seis meses depois da tragédia de Pedrógão Grande
    5:55

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assinalou-se este domingo meio ano desde que o país ficou em choque com o rasto de morte e destruição causado pelos incêndios florestais na região centro. A tragédia de Pedrogão Grande foi há precisamente seis meses. Enquanto segue a reconstrução no tempo possível e com o Natal à porta, a vida prossegue, mas não voltará a ser mesma.