sicnot

Perfil

Desporto

Dínamo de Bucareste confirma morte de Patrick Ekeng

O Dínamo de Bucareste confirmou hoje a morte do internacional camaronês Patrick Ekeng, que desfaleceu em campo durante um jogo do campeonato romeno de futebol.

O internacional dos Camarões, de 26 anos, caiu inanimado no relvado sete minutos depois de ter entrado em campo, sem que tivesse havido qualquer contacto com adversários, durante o jogo frente ao Viitorul Constanta.

Ekeng, que foi contratado pelo Dínamo em janeiro último, ainda foi levado de urgência para o hospital, onde os médicos tentaram tudo para o reanimar, sem êxito, porém.

"As tentativas de reanimação prolongaram-se durante uma hora e meia, mas não foram surtiram efeito", disse o médico do Dínamo, Liviu Paltinean, em declarações aos jornalistas.

Muitos adeptos do clube de Bucareste juntaram-se em frente ao hospital até altas horas da noite para expressar seu pesar pela morte do jogador.

"Não posso acreditar, é um pesadelo. Para mim, para a equipa e para todos os adeptos do Dínamo. É demais", disse o diretor executivo do Dínamo, Ionel Danciulescu.

A morte de Ekeng traz à memória a do seu compatriota Marc-Vivien Foe, que morreu vitimado por um ataque cardíaco em 2003, quando jogava uma partida da Copa das Confederações frente à Colômbia, no Estádio Gerland, em Lyon, França.

Mais recentemente, o defesa Grégory Mertens morreu três dias depois de sofrer um ataque cardíaco ao serviço da equipa belga do Lokeren, em 2015.

Antes de ingressar no Dínamo de Bucareste, Ekeng representou vários clubes europeus, tendo estado ao serviço do Le Mans, na II Liga francesa, entre 2009 e 2013, de onde se transferiu para o Lausanne, da Suíça, na época 2013/14 e deste para os espanhóis do Córdoba, no qual iniciou a época 2014/15 até se transferir em janeiro para o Dínamo de Bucareste.

"Não há palavras para expressar a nossa tristeza pela morte de Patrick Ekeng. Lamentamos profundamente a sua perda. Nunca te esqueceremos, amigo. RIP [descansa em paz]", escreveu o Córdoba, anterior clube do camaronês, uma mensagem no 'twitter'.

Lusa

  • Jogadores que morreram em campo

    Desporto

    O médio camaronês Patrick Ekeng, do Dínamo de Bucareste, morreu durante um jogo do campeonato romeno, depois de ter caído inanimado em campo. Em Portugal, vários jogadores já morreram enquanto jogavam ou durante os treinos. Pavão, do FC Porto, Miklós Fehér e Bruno Baião, do Benfica, são nomes que dificilmente serão esquecidos.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.