sicnot

Perfil

Desporto

João Sousa cai frente a Nadal nos quartos de final do Masters 1000 de Madrid

O tenista português João Sousa caiu hoje nos quartos de final do Masters 1000 de Madrid, ao perder com o número cinco mundial, o espanhol Rafael Nadal, por 6-0, 4-6 e 6-3.

JUANJO MARTIN/ EPA

Frente ao 'rei' incontestado da terra batida -- é o tenista em atividade com mais títulos (49), um recorde que partilha com o argentino Guillermo Villas, e o recordista de triunfos em Roland Garros (9), tendo perdido apenas 32 encontros em 392 disputados -, Sousa entrou errático, sem argumentos para poder contrariar o domínio do espanhol, que conquistou primeiro 'set' num ápice.

Em 26 minutos, o número cinco mundial destruiu o sonho do número um nacional, vencendo o primeiro parcial por 6-0, sem que o vimaranense conseguisse somar qualquer 'winner' ou converter o único ponto de 'break' de que dispôs.

Já sem nada a perder, Sousa pareceu crescer dentro do campo e obrigou o detentor de 14 títulos de 'Grand Slam' e de 28 troféus em Masters 1000 a correr e a errar, demonstrando conhecer bem o adversário com quem passou uma semana a treinar em dezembro.

Diante de um 'court' Manolo Santana, o principal da 'Caja Mágica', repleto, onde não faltou a sua família, nem o futebolista Cristiano Ronaldo, o único tenista luso a ter títulos ATP no palmarés ficou mais confiante e segurou os seus dois primeiros jogos de serviço.

A concentração do português era tal que nem a chuva, que obrigou à interrupção do encontro e ao encerramento do teto do 'court', quebrou o seu ritmo, com Sousa a salvar três pontos de 'break' para empatar a três o segundo parcial.

Determinado, o vimaranense, de 27 anos, esteve irrepreensível no seu serviço, colocando grande pressão sobre 'Rafa', que sofreu o 'break' num momento crucial do segundo 'set'.

A servir para fechar, com 5-4 a seu favor, o português conquistou, pela primeira vez na sua carreira, um parcial ao melhor tenista em terra batida, por 6-4.

A transbordar de confiança, de dentes cerrados, Sousa salvou dois pontos de 'break' no seu primeiro jogo de serviço e manteve-se no encontro, irritando o espanhol, que a cada jogo conquistado erguia o punho no ar.

Com o momento decisivo a aproximar-se, Nadal, que estava numa série de 12 triunfos consecutivos no pó de tijolo, fez uso de toda a sua experiência para, no oitavo jogo, quebrar o serviço do 35.º jogador mundial e rumar à vitória, ao final de duas horas e seis minutos.

O número um nacional, que na segunda feira vai entrar pela primeira vez no lote de 30 melhor do ténis mundial, sai de Madrid com um resultado bem mais positivo que o registado no único confronto anterior entre ambos, quando perdeu por 6-1 e 6-0, nos quartos de final do torneio do Rio de Janeiro (Brasil), em 2014,

Com a caminhada gloriosa na terra batida de Madrid, onde atingiu os quartos final de um Masters 1000 pela primeira vez na sua carreira, Sousa distanciou-se de Frederico Gil, com quem partilhava o recorde de maior número de vitórias em torneios Masters 1000 (9), passando agora a somar 12.

João Sousa foi apenas o segundo tenista português a atingir os quartos de final de um Masters 1000, depois de Frederico Gil ter feito o mesmo em Monte Carlo, em 2011.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.