sicnot

Perfil

Desporto

João Sousa cai frente a Nadal nos quartos de final do Masters 1000 de Madrid

O tenista português João Sousa caiu hoje nos quartos de final do Masters 1000 de Madrid, ao perder com o número cinco mundial, o espanhol Rafael Nadal, por 6-0, 4-6 e 6-3.

JUANJO MARTIN/ EPA

Frente ao 'rei' incontestado da terra batida -- é o tenista em atividade com mais títulos (49), um recorde que partilha com o argentino Guillermo Villas, e o recordista de triunfos em Roland Garros (9), tendo perdido apenas 32 encontros em 392 disputados -, Sousa entrou errático, sem argumentos para poder contrariar o domínio do espanhol, que conquistou primeiro 'set' num ápice.

Em 26 minutos, o número cinco mundial destruiu o sonho do número um nacional, vencendo o primeiro parcial por 6-0, sem que o vimaranense conseguisse somar qualquer 'winner' ou converter o único ponto de 'break' de que dispôs.

Já sem nada a perder, Sousa pareceu crescer dentro do campo e obrigou o detentor de 14 títulos de 'Grand Slam' e de 28 troféus em Masters 1000 a correr e a errar, demonstrando conhecer bem o adversário com quem passou uma semana a treinar em dezembro.

Diante de um 'court' Manolo Santana, o principal da 'Caja Mágica', repleto, onde não faltou a sua família, nem o futebolista Cristiano Ronaldo, o único tenista luso a ter títulos ATP no palmarés ficou mais confiante e segurou os seus dois primeiros jogos de serviço.

A concentração do português era tal que nem a chuva, que obrigou à interrupção do encontro e ao encerramento do teto do 'court', quebrou o seu ritmo, com Sousa a salvar três pontos de 'break' para empatar a três o segundo parcial.

Determinado, o vimaranense, de 27 anos, esteve irrepreensível no seu serviço, colocando grande pressão sobre 'Rafa', que sofreu o 'break' num momento crucial do segundo 'set'.

A servir para fechar, com 5-4 a seu favor, o português conquistou, pela primeira vez na sua carreira, um parcial ao melhor tenista em terra batida, por 6-4.

A transbordar de confiança, de dentes cerrados, Sousa salvou dois pontos de 'break' no seu primeiro jogo de serviço e manteve-se no encontro, irritando o espanhol, que a cada jogo conquistado erguia o punho no ar.

Com o momento decisivo a aproximar-se, Nadal, que estava numa série de 12 triunfos consecutivos no pó de tijolo, fez uso de toda a sua experiência para, no oitavo jogo, quebrar o serviço do 35.º jogador mundial e rumar à vitória, ao final de duas horas e seis minutos.

O número um nacional, que na segunda feira vai entrar pela primeira vez no lote de 30 melhor do ténis mundial, sai de Madrid com um resultado bem mais positivo que o registado no único confronto anterior entre ambos, quando perdeu por 6-1 e 6-0, nos quartos de final do torneio do Rio de Janeiro (Brasil), em 2014,

Com a caminhada gloriosa na terra batida de Madrid, onde atingiu os quartos final de um Masters 1000 pela primeira vez na sua carreira, Sousa distanciou-se de Frederico Gil, com quem partilhava o recorde de maior número de vitórias em torneios Masters 1000 (9), passando agora a somar 12.

João Sousa foi apenas o segundo tenista português a atingir os quartos de final de um Masters 1000, depois de Frederico Gil ter feito o mesmo em Monte Carlo, em 2011.

Lusa

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira