sicnot

Perfil

Desporto

Gianni Infantino decreta "absoluta tolerância zero" na FIFA

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, afirmou no domingo que a organização que gere o futebol mundial vai ter uma política de "tolerância zero" relativamente a desvios de dinheiro, após os escândalos de corrupção.

© Arnd Wiegmann / Reuters

"Temos um princípio de absoluta tolerância zero e se alguém acredita que pode fazer 'trapaças', que saia do futebol e o faça noutros sítios; os que cometeram atos criminosos e ganharam dinheiro ilegal com o futebol devem ser julgados criminalmente, e também pela FIFA, e devem, além disso, devolver o dinheiro", disse o dirigente ítalo-suíço.

Infantino, que participou numa mesa redonda no México no início das atividades do Congresso da FIFA, que vai ter lugar na sexta-feira na capital do país, reconheceu que a imagem da instituição se encontra danificada após os escândalos de corrupção.

"Se trabalharmos juntos, o futebol e a FIFA voltarão outra vez acima", afirmou.

Infantino mostrou-se ainda favorável à introdução de tecnologia a fim de ajudar os árbitros, desde que sob a condição de não interromperem o fluxo dos jogos.

"Devemos fazer experiências para ver se a tecnologia vai funcionar no futebol ou não. Talvez vejamos um pouco mais de ajuda aos árbitros no Mundial de 2018", acrescentou.

Lusa

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Costa desafia PSD para pacto depois das autárquicas
    1:14
  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22