sicnot

Perfil

Desporto

Estaleiro e base de treinos da Volvo Ocean Race será em Lisboa

A organização da escala em Lisboa da Volvo Ocean Race anunciou hoje que o estaleiro e base de treinos da regata em 2017 será na capital, que quer ser o local de partida e base permanente da prova.

© Rafael Marchante / Reuters

Para além da primeira etapa, que começa em Alicante, terminar em Lisboa, em outubro de 2017, o destaque vai para o facto de o estaleiro de toda a regata ser sedeado na Doca de Pedrouços, desde a manutenção dos barcos ao centro de treinos, que fará com que as embarcações estejam na capital portuguesa praticamente durante toda a competição.

Para além das inovações apresentadas, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, disse não descansar enquanto a cidade não se tornar base permanente da prova.

"Esta prova tem um caráter estratégico para Lisboa. Este dia marca um renovar de compromisso. Nesta edição, vamos ter mais Volvo Ocean Race, a mesma aventura, centralidade e dinâmica, mas reforçada com uma instalação permanente. A Volvo deixa de ser circunstancial, deixa de ser um ponto de acolhimento, mas passa a ser a base. Não descansaremos enquanto não fizermos de Lisboa a base permanente e local de partida da Volvo. Acho que Lisboa tem tudo e justifica a aposta", vincou.

Presente na apresentação da regata, o CEO da Volvo Ocean Race, António Bolãnos, elogiou o profissionalismo da cidade e destacou o apoio que a regata tem dado ao desenvolvimento económico de Lisboa.

"Lisboa tem dado grandes alegrias à Volvo Ocean Race, tem-se demonstrado muito profissional na organização e a Volvo tem ajudado a cidade a nível económico. Lisboa converteu-se numa grande cidade de negócios. O centro de manutenção dos barcos para Lisboa mostram mais uma vez os laços que nos unem, que contribuem para incrementar o impacto a todos os níveis", afirmou.

Já José Pedro Amaral, responsável pelo stopover em Lisboa, explicou que a aposta no centro de treinos e manutenção vai fazer com que existam "novas formas de fazer negócio".

" A base de treinos e de manutenção faz com que Lisboa redescubra o mundo, há um trajeto comercial de empresas, companhias, novos parceiros, novas formas de fazer negócio. Vamos ter um stopover de quase um ano e não 14 dias como no último ano da prova. Com a base de treinos e reparação vão ser muitos velejadores, patrocinadores, empresas em Lisboa, é um oceano de oportunidades que temos de aproveitar", sublinhou.

Ainda com cidades por fechar, certas serão as passagens por Alicante, Lisboa, Auckland, Cidade do Cabo, Cardiff, Gotemburgo, Hong Kong, Newport e Haia.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC