sicnot

Perfil

Desporto

Estaleiro e base de treinos da Volvo Ocean Race será em Lisboa

A organização da escala em Lisboa da Volvo Ocean Race anunciou hoje que o estaleiro e base de treinos da regata em 2017 será na capital, que quer ser o local de partida e base permanente da prova.

© Rafael Marchante / Reuters

Para além da primeira etapa, que começa em Alicante, terminar em Lisboa, em outubro de 2017, o destaque vai para o facto de o estaleiro de toda a regata ser sedeado na Doca de Pedrouços, desde a manutenção dos barcos ao centro de treinos, que fará com que as embarcações estejam na capital portuguesa praticamente durante toda a competição.

Para além das inovações apresentadas, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, disse não descansar enquanto a cidade não se tornar base permanente da prova.

"Esta prova tem um caráter estratégico para Lisboa. Este dia marca um renovar de compromisso. Nesta edição, vamos ter mais Volvo Ocean Race, a mesma aventura, centralidade e dinâmica, mas reforçada com uma instalação permanente. A Volvo deixa de ser circunstancial, deixa de ser um ponto de acolhimento, mas passa a ser a base. Não descansaremos enquanto não fizermos de Lisboa a base permanente e local de partida da Volvo. Acho que Lisboa tem tudo e justifica a aposta", vincou.

Presente na apresentação da regata, o CEO da Volvo Ocean Race, António Bolãnos, elogiou o profissionalismo da cidade e destacou o apoio que a regata tem dado ao desenvolvimento económico de Lisboa.

"Lisboa tem dado grandes alegrias à Volvo Ocean Race, tem-se demonstrado muito profissional na organização e a Volvo tem ajudado a cidade a nível económico. Lisboa converteu-se numa grande cidade de negócios. O centro de manutenção dos barcos para Lisboa mostram mais uma vez os laços que nos unem, que contribuem para incrementar o impacto a todos os níveis", afirmou.

Já José Pedro Amaral, responsável pelo stopover em Lisboa, explicou que a aposta no centro de treinos e manutenção vai fazer com que existam "novas formas de fazer negócio".

" A base de treinos e de manutenção faz com que Lisboa redescubra o mundo, há um trajeto comercial de empresas, companhias, novos parceiros, novas formas de fazer negócio. Vamos ter um stopover de quase um ano e não 14 dias como no último ano da prova. Com a base de treinos e reparação vão ser muitos velejadores, patrocinadores, empresas em Lisboa, é um oceano de oportunidades que temos de aproveitar", sublinhou.

Ainda com cidades por fechar, certas serão as passagens por Alicante, Lisboa, Auckland, Cidade do Cabo, Cardiff, Gotemburgo, Hong Kong, Newport e Haia.

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.