sicnot

Perfil

Desporto

Presidente da FIFA "muito triste" com a demissão de Platini da UEFA

O presidente da FIFA, Gianni Infatino, manifestou-se na segunda-feira "muito triste" pela demissão do líder da UEFA, Michel Platini, de quem foi 'número dois' naquele organismo europeu.

Gianni Infantino, presidente da FIFA.

Gianni Infantino, presidente da FIFA.

© Jorge Silva / Reuters

À saída de uma reunião do Comité Executivo da FIFA, na Cidade do México, Infantino, antigo secretário-geral da UEFA, lembrou o trabalho de nove anos com Platini, não escondendo a tristeza, "a nível pessoal", pela demissão do francês, depois de o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) ter reduzido de seis para quatro anos a suspensão ao antigo futebolista.

"A nível pessoal, estou muito triste com esta decisão. Trabalhei com Michel [Platini] durante nove anos. Fizemos grandes coisas na UEFA e quero guardar essas memórias positivas", disse Infantino, aos jornalistas.

Platini, que chegou a apresentar a candidatura à presidência da FIFA este ano, tinha sido inicialmente condenado a oito anos de suspensão pela Comissão de Ética da FIFA, a 21 de dezembro de 2015, mas a pena foi depois reduzida para seis anos pela Comissão de Recurso. A suspensão foi entretanto reduzida a quatro anos pelo TAS, a instância superior no desporto.

O líder da UEFA foi condenado por abuso de confiança, conflito de interesses e gestão danosa no caso do pagamento de 1,8 milhões de euros pelo ex-presidente da FIFA mundial, Joseph Blatter.

Apesar da tristeza por Platini, Infantino frisou que "deve respeitar-se a decisão" do TAS.

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.