sicnot

Perfil

Desporto

Salvador Agra avisa que jogadores do Nacional "não são bonecos de ninguém"

O avançado Salvador Agra afirmou hoje que o Nacional tem "uma palavra a dizer" na discussão do título na 34.ª e última jornada da I Liga de futebol, prometendo dignidade frente ao Benfica, no domingo.

Lusa

"Sabemos que o Benfica é uma equipa muito forte e, caso ganhe, será campeão, mas também temos uma palavra a dizer nessa luta. Não somos bonecos de ninguém, temos a nossa dignidade e vamos lutar até ao último minuto", afirmou hoje o extremo da equipa insular, em conferência de imprensa.

Líder da liga, com 85 pontos, o Benfica recebe o Nacional e sabe que será tricampeão garantidamente se vencer. Caso não ganhem, os 'encarnados' terão de esperar que o Sporting, segundo classificado, com menos dois pontos, também não o faça na visita ao Sporting de Braga.

"Ouvi durante a semana que a festa (do Benfica) já estava feita, mas nós também vamos jogar", lembrou o jogador da formação da Choupana, considerando que a equipa madeirense vai enfrentar "um adversário forte", que, por sua vez, vai defrontar "um Nacional que luta pela vitória em qualquer jogo".

Salvador Agra falou também sobre o famoso jogo da mala, por alegado incentivos por parte de outro adversário para estragar a festa ao Benfica, mas o jogador da equipa madeirense recusou liminarmente essa ideia.

"Mala? Vamos levar muitas com os nossos equipamentos. Não sei nada disso. Somos profissionais, briosos e vamos fazer o nosso jogo, na tentativa de o ganhar, como fazemos sempre em qualquer partida e competição", sublinhou.

O Benfica e o Nacional, 11.º classificado, com 38 pontos, defrontam-se a partir das 17:00 de domingo no Estádio da Luz, em Lisboa, em jogo que será arbitrado por Nuno Almeida, da associação do Algarve.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".