sicnot

Perfil

Desporto

Ministro russo fala em acusações ridículas de ex-chefe de laboratório russo

O ministro do Desporto da Rússia, Vitaly Mutko, considerou hoje como absurdas as alegações sobre um sistema de dopagem que terá favorecido os atletas russos nos Jogos Olímpicos de inverno em 2014, em Sochi.

© MAXIM ZMEYEV / Reuters

O antigo chefe do laboratório de Moscovo, Grigory Rodchenkov, afirmou ao jornal New York Times (Estados Unidos) que os atletas russos nos Jogos de Inverno de 2014 beneficiaram de um sistema de dopagem supervisionado pelo governo russo, estimando que "dúzias de atletas russos, nomeadamente 15 medalhados olímpicos", beneficiaram desse sistema.

"Penso que essas pessoas [acusados pelo New York Times] são atletas excecionais, as acusações são absurdas. As acusações contra eles não têm fundamento. Vamos analisar este artigo e decidir como reagir", disse Mutko, citado pela agência TASS.

Na entrevista ao New York Times, Grigory Rodchenkov afirmou ter desenvolvido um coquetel com três esteroides anabolisantes e álcool, para reduzir a 'janela' em que poderiam ter sido detetados.

Os serviços secretos russos também terão tido intervenção, segundo o antigo responsável, de modo a substituir as amostras de urina dos atletas russos, durante a noite, trocando-as por amostras limpas, recolhidas vários meses antes, para evitar que fossem declaradas positivas.

Como prova destas acusações, Rodchenkov forneceu ao New York Times exemplos de trocas de correio eletrónico com o ministério russo do Desporto, em que são mencionados os atletas que beneficiaram deste programa.

Forneceu, igualmente, uma foto que mostra uma pequena escotilha no laboratório antidoping utilizada pelos serviços secretos russos.

Rodchenkov foi forçado a renunciar ao cargo em finais de 2015, após o início do escândalo que abala o atletismo russo, que pode ser impedido de participar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, este ano, tendo-se refugiado nos Estados Unidos, por temer represálias no seu país.

A Rússia terminou no primeiro lugar no que diz respeito a medalhas em Sochi, com 33 pódios, entre os quais 13 títulos olímpicos.

Estas acusações vão ao encontro das que Vitali Stepanov, antigo controlador da agência russa de luta contra o doping, deram origem ao escândalo que ensombra o atletismo daquele país, desde novembro passado.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31