sicnot

Perfil

Desporto

Mourinho e Figo elogiam presidente da FIFA depois de jogo das estrelas

O treinador português José Mourinho e o antigo futebolista Luís Figo teceram na quarta-feira grandes elogios ao novo presidente da FIFA, Gianni Infantino, antes do início do 66.º Congresso do organismo, na Cidade do México.

José Mourinho

José Mourinho

© Reuters Staff / Reuters

Depois do jogo particular entre um conjunto de 'Estrelas da FIFA' e uma seleção mexicana, no Estádio Azteca, Mourinho, que treinou a equipa da FIFA, disse que Infantino, eleito presidente em fevereiro, "abriu as portas aos artistas, que são os jogadores".

"Estes são os artistas especiais e a FIFA abriu-lhes a porta. Pela primeira vez, há uma ligação direta entre as duas partes e o resultado só pode ser positivo. Infantino começou a ouvir (os jogadores)", elogiou Mourinho depois do jogo, que a seleção mexicana venceu por 9-8.

Luís Figo, que chegou a avançar para uma candidatura à presidência da FIFA, acabando por abdicar a favor de Infantino, disse que a mudança da presidência "foi um passo em frente" e com novos estatutos "há que mudar o que não estava bem".

"Temos de encarar tudo de forma positiva, continuar a trabalhar com transparência e recuperar a imagem da FIFA. Todos devem concentrar-se em trabalhar com a máxima transparência, honestidade e democracia", disse Luís Figo, que jogou pelas Estrelas da FIFA.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31