sicnot

Perfil

Desporto

Bayern primeiro tetracampeão da Alemanha, no adeus de Guardiola

O Bayern Munique liderou o campeonato alemão de futebol de início ao fim e, apesar da réplica do Borussia Dortmund, tornou-se, como anunciado, o primeiro tetracampeão, no adeus de Pep Guardiola, que conquistou três cetros em três anos.

MIGUEL A. LOPES

Na época de despedida do técnico catalão, que no início de fevereiro foi confirmado no Manchester City para os próximos três anos, o conjunto bávaro arrancou com 10 triunfos, 'cavando' uma vantagem que, depois, soube gerir, mesmo sem grande brilhantismo, também por culpa das lesões.

Após 10 rondas, a concorrência estava, praticamente, reduzida ao conjunto de Dortmund (a sete pontos), que, sob o comando de Thomas Tuchel, sucessor de Jürgen Klopp, nunca conseguiu, verdadeiramente, pressionar o Bayern.

A prova ficou, praticamente, decidida à 25.ª jornada, a 'longas' 10 do final, quando os bávaros empataram a zero em Dortmund, mantendo-se com cinco pontos de avanço, o mínimo que tiveram desde a oitava ronda, precisamente quando golearam em casa os rivais por 5-1. Fecharam 10 à frente.

Robert Lewandowski e Thomas Müller 'bisaram' nesse encontro, numa época em que formaram uma dupla fortíssima: 30 golos do polaco, que repetiu o título de melhor marcador de 2013/14, então pelo Dortmund, e foi o primeiro na 'Bundesliga' a atingir esta marca desde 1976/77, e 20 do germânico.

Douglas Costa e o 'miúdo' Coman foram compensando as ausências constantes de Robben e Ribéry, que falharam inúmeros jogos por lesão, enquanto Vidal, Xabi Alonso e Thiago Alcántara comandaram um meio campo sempre forte.

No setor recuado, as lesões, de Boateng, Javi Martínez, Benatia e do 'inevitável' Badstuber, complicaram, mas Guardiola encontrou sempre soluções, com Alaba, 'pau para toda a obra', Neuer e Lahm a serem decisivos para a equipa só ter consentido 17 golos, sendo a melhor defesa da prova.

O registo defensivo foi o melhor da 'era' Guardiola, superando os 18 tentos sofridos na época passada, mas, em termos ofensivos, a equipa bávara ficou longe dos 90 tentos de 2013/14. Ficou-se pelos 80, a dois do Dormund.

Os bávaros tiveram um início de época perfeito, que acabou por ser decisivo na conquista da prova: 10 vitórias nos primeiros 10 jogos, incluindo 5-0 ao Hamburgo, 3-0 ao Bayer Leverkusen e 5-1 ao Wolfsburgo e ao Borussia Dortmund.

Ao fim de 10 rondas, a vantagem dos bávaros já era de sete pontos e não caiu na seguinte, quando o conjunto de Guardiola cedeu os primeiros pontos, ao empatar a zero no reduto do Eintracht Frankfurt.

A diferença para o Dortmund ainda desceu para cinco pontos, mas nunca mais baixou desse patamar, sendo que chegou duas vezes aos oito e, a partir da 29.ª ronda, fixou-se nos sete.

Pelo meio, os bávaros somaram a primeira derrota à 15.ª jornada, quando perderam fora com o Borussia Mönchengladbach por 3-1, para, à 24.ª, caírem surpreendentemente na receção ao Mainz (1-2). Na seguinte, empataram a zero em Dortmund e 'encomendaram' as faixas de campeão.

Depois, foi um 'passeio' até ao título, o 26.º do clube de Munique, contra nove do Nuremberga e oito do Borussia Dortmund -, clube ao qual os bávaros já recrutaram, para a próxima época, o central Mats Hummels, depois de Götze e Lewandowski. Também já garantiram o benfiquista Renato Sanches

Em 2016/17, e depois de três anos sob o comando de Pep Guardiola, que conquistou outros tantos títulos de campeão da Alemanha, o Bayern vai ser orientado pelo italiano Carlo Ancelotti, o técnico do 10.º título europeu do Real Madrid.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28