sicnot

Perfil

Desporto

Bayern primeiro tetracampeão da Alemanha, no adeus de Guardiola

O Bayern Munique liderou o campeonato alemão de futebol de início ao fim e, apesar da réplica do Borussia Dortmund, tornou-se, como anunciado, o primeiro tetracampeão, no adeus de Pep Guardiola, que conquistou três cetros em três anos.

MIGUEL A. LOPES

Na época de despedida do técnico catalão, que no início de fevereiro foi confirmado no Manchester City para os próximos três anos, o conjunto bávaro arrancou com 10 triunfos, 'cavando' uma vantagem que, depois, soube gerir, mesmo sem grande brilhantismo, também por culpa das lesões.

Após 10 rondas, a concorrência estava, praticamente, reduzida ao conjunto de Dortmund (a sete pontos), que, sob o comando de Thomas Tuchel, sucessor de Jürgen Klopp, nunca conseguiu, verdadeiramente, pressionar o Bayern.

A prova ficou, praticamente, decidida à 25.ª jornada, a 'longas' 10 do final, quando os bávaros empataram a zero em Dortmund, mantendo-se com cinco pontos de avanço, o mínimo que tiveram desde a oitava ronda, precisamente quando golearam em casa os rivais por 5-1. Fecharam 10 à frente.

Robert Lewandowski e Thomas Müller 'bisaram' nesse encontro, numa época em que formaram uma dupla fortíssima: 30 golos do polaco, que repetiu o título de melhor marcador de 2013/14, então pelo Dortmund, e foi o primeiro na 'Bundesliga' a atingir esta marca desde 1976/77, e 20 do germânico.

Douglas Costa e o 'miúdo' Coman foram compensando as ausências constantes de Robben e Ribéry, que falharam inúmeros jogos por lesão, enquanto Vidal, Xabi Alonso e Thiago Alcántara comandaram um meio campo sempre forte.

No setor recuado, as lesões, de Boateng, Javi Martínez, Benatia e do 'inevitável' Badstuber, complicaram, mas Guardiola encontrou sempre soluções, com Alaba, 'pau para toda a obra', Neuer e Lahm a serem decisivos para a equipa só ter consentido 17 golos, sendo a melhor defesa da prova.

O registo defensivo foi o melhor da 'era' Guardiola, superando os 18 tentos sofridos na época passada, mas, em termos ofensivos, a equipa bávara ficou longe dos 90 tentos de 2013/14. Ficou-se pelos 80, a dois do Dormund.

Os bávaros tiveram um início de época perfeito, que acabou por ser decisivo na conquista da prova: 10 vitórias nos primeiros 10 jogos, incluindo 5-0 ao Hamburgo, 3-0 ao Bayer Leverkusen e 5-1 ao Wolfsburgo e ao Borussia Dortmund.

Ao fim de 10 rondas, a vantagem dos bávaros já era de sete pontos e não caiu na seguinte, quando o conjunto de Guardiola cedeu os primeiros pontos, ao empatar a zero no reduto do Eintracht Frankfurt.

A diferença para o Dortmund ainda desceu para cinco pontos, mas nunca mais baixou desse patamar, sendo que chegou duas vezes aos oito e, a partir da 29.ª ronda, fixou-se nos sete.

Pelo meio, os bávaros somaram a primeira derrota à 15.ª jornada, quando perderam fora com o Borussia Mönchengladbach por 3-1, para, à 24.ª, caírem surpreendentemente na receção ao Mainz (1-2). Na seguinte, empataram a zero em Dortmund e 'encomendaram' as faixas de campeão.

Depois, foi um 'passeio' até ao título, o 26.º do clube de Munique, contra nove do Nuremberga e oito do Borussia Dortmund -, clube ao qual os bávaros já recrutaram, para a próxima época, o central Mats Hummels, depois de Götze e Lewandowski. Também já garantiram o benfiquista Renato Sanches

Em 2016/17, e depois de três anos sob o comando de Pep Guardiola, que conquistou outros tantos títulos de campeão da Alemanha, o Bayern vai ser orientado pelo italiano Carlo Ancelotti, o técnico do 10.º título europeu do Real Madrid.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.