sicnot

Perfil

Desporto

Av. Liberdade e Fontes Pereira de Melo com postos de revista aos adeptos de futebol

A PSP instalou pontos de revista nas avenidas da Liberdade, Joaquim António de Aguiar, Fontes Pereira de Melo, Duque de Loulé e rua Braancamp para controlar os adeptos de futebol que forem hoje à Praça Marquês de Pombal, Lisboa.

SIC

Segundo disse à agência Lusa o porta-voz do Comando Metropolitano da PSP (COMETLIS), Sérgio Soares, a polícia pretende numa primeira fase revistar todos os adeptos que se desloquem ao local para festejar o título de futebol, mas quando isso já não for possível, devido à afluência de milhares de adeptos, o controlo passará a ser aleatório.

O comissário alertou que não será permitida a entrada no perímetro de segurança junto da Praça do Marquês de Pombal de garrafas de vidro ou latas de bebidas, devendo estas serem adquiridas em copos ou embalagens de plástico.

O posto de revista na avenida da Liberdade será montado junto ao cruzamento com a avenida Alexandre Herculano, enquanto na Joaquim António de Aguiar está instalado junto ao túnel do Marquês.

O posto de revista polícial na avenida Duque de Loulé foi erguido junto às antigas instalações da Unidade de Combate ao Tráfico de Estupefacientes da PJ, a uma distância considerável da praça do Marquês, enquanto da rua Braancamp situa-se no cruzamento com a rua Alexandre Herculano.

O posto da avenida Fontes Pereira de Melo foi criado no cruzamento com a rua António Augusto Aguiar, onde existe um hotel nas proximidades.

Não foi revelado o total de efetivos da PSP destacados para assegurar a segurança no jogo Benfica -Nacional da Madeira, com início às 17:00 no Estádio da Luz, e os eventuais festejos pela conquista do título dos "encarnados", mas o comissário Sérgio Soares garantiu que são "centenas de agentes", desde elementos de patrulhamento até à Unidade Especial de Polícia (UEP).

No entando, quinta-feira, fonte policial tinha dito à agência Lusa que os cerca de 350 elementos do Corpo de Intervenção (CI) da PSP de Lisboa estão mobilizados para a festa do título do campeão de futebol, que se disputa entre o Benfica e o Sporting.

Por precaução, duas estações do Metropolitano de Lisboa - Marquês de Pombal e Parque - vão estar encerradas a partir das 17:00, só devendo ser reaberta quando a PSP entender que existem "condições de segurança", conforme explicou Sérgio Soares.

O porta-voz do COMETLIS salientou que até final do dia haverá "policiamento macro, que não se resume ao Marquês de Pombal", incluindo outros locais como os estádios do Sporting e do Benfica e as estações de metropolitano do Colégio militar, Alto dos Moinhos, Alvalade, Campo Grande, Restauradores e Avenida.

O comissário da PSP disse ainda que a Câmara Municipal de Lisboa cumpriu com a vistoria destinada a retirar material das obras de trânsito no Marquês de Pombal que pudesse comprometer a segurança no local.

Lusa

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.