sicnot

Perfil

Desporto

Mark Pieth acusa Infantinno do "mesmo autoritarismo" de Blatter

Mark Pieth, um dos juristas que promoveu o plano de reformas na FIFA, acusou hoje o presidente do organismo, Gianni Infantino, de recorrer ao "mesmo autoritarismo" do seu antecessor, Joseph Blatter.

© Arnd Wiegmann / Reuters

Um dia depois da demissão de Domenico Scala da presidência da Comissão de Auditoria da FIFA, Mark Pieth, um dos colaboradores do presidente demissionário, disse à agência AFP que "caiu a máscara" a Gianni Infantino.

"[Infantinno] Está a mostrar as suas reais motivações e a sua verdadeira personalidade. Estão a regressar os piores tempos do 'Blatterismo'. Caiu a máscara", acusou o jurista suíço.

Domenico Scala demitiu-se do cargo em protesto contra medidas que considerou ameaçarem a independência deste órgão.

Esta decisão foi tomada depois de Gianni Infantino ter transferido para o Comité Executivo a competência de nomear ou demitir os presidentes das comissões de Ética ou Auditoria, o que, para Scala, "priva esses organismos da sua independência" e também "destrói um dos principais motivos das reformas".

Segundo Scala, com a decisão tomada em Congresso, na Cidade do México, é possível ao Comité Executivo "interferir, a qualquer momento, nas investigações".

Mark Pieth lembrou que as investigações do Comité de Auditoria tiveram sempre a "intervenção velada" de Blatter, sempre que apontavam para alguém próximo do ex-presidente.

O jurista insistiu que Infantinno "está a tentar ter controlo absoluto" com a decisão tomada no último Congresso.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.