sicnot

Perfil

Desporto

Luís Norton de Matos de saída do União da Madeira

O treinador Luís Norton de Matos não será convidado a renovar contrato com o União da Madeira, equipa que desceu à II Liga portuguesa de futebol, disse hoje à agência Lusa fonte do clube madeirense.

Norton de Matos

Norton de Matos

HOMEM DE GOUVEIA / Lusa

O técnico, de 62 anos, que liderou o projeto da equipa madeirense no regresso à I Liga, 20 anos depois da última presença, acaba assim por não continuar ao serviço da equipa insular, com quem tinha contrato até ao final da temporada que agora finda.

O União da Madeira, que nunca tinha estado na zona de despromoção até à derradeira jornada, viu consumada a descida de divisão na última jornada, ao perder em casa com o Rio Ave (2-1).

Para já, a direção unionista vai trabalhar já com vista a próxima época, tendo o modelo de treinador pretendido já definido.

Lusa

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".