sicnot

Perfil

Desporto

Villas-Boas admitiu que Zenit perdeu título russo por "culpa própria"

O treinador português André Villas-Boas admitiu esta terça-feira que o Zenit perdeu o título da liga russa de futebol por "culpa própria", em entrevista ao meio de comunicação oficial do emblema de São Petersburgo.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Alexander Demianchuk / Reuter

"Só nos podemos culpar a nós próprios, pois acho que éramos a melhor equipa da liga", disse o técnico, que abandona a Rússia neste final de temporada, nada revelando sobre o seu futuro próximo.

Para André Villas-Boas, o Zenit "jogou bem no capítulo ofensivo e marcou muitos golos", mas falhou em momentos cruciais: "Cometemos muitos erros e empatámos jogos em casa que nos fizeram perder muitos pontos".

Admitiu ainda um regresso, mais tarde, ao campeonato russo: "Espero voltar, mas isso não depende só de mim".

A equipa em que alinham os portugueses Luís Neto e Danny, assim como alguns ex-jogadores de FC Porto e Benfica, como Hulk, Witsel e Garay, é terceira classificada no campeonato russo, com 56 pontos, quatro atrás do Rostov e a seis do CSKA, que no próximo fim de semana decidem qual será o campeão.

Na mesma entrevista, Villas-Boas explicou ainda ter deixado a família em Portugal por não querer que "tivessem que aprender mais uma cultura", embora, ele próprio se confesse admirado pela franqueza da atitude do povo russo: "Não são hipócritas, aqui é preto ou branco, não há zonas cinzentas".

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Oliveira e Costa condenado a 14 anos de prisão

    País

    O fundador do grupo SLN/BPN, José Oliveira e Costa, foi esta quarta-feira condenado pelo tribunal a uma pena de prisão efetiva de 14 anos pelos crimes de falsificação de documentos, fraude fiscal qualificada, burla qualificada e branqueamento de capitais. Dos 15 arguidos no processo, 12 foram condenados.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras