sicnot

Perfil

Desporto

Villas-Boas admitiu que Zenit perdeu título russo por "culpa própria"

O treinador português André Villas-Boas admitiu esta terça-feira que o Zenit perdeu o título da liga russa de futebol por "culpa própria", em entrevista ao meio de comunicação oficial do emblema de São Petersburgo.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Alexander Demianchuk / Reuter

"Só nos podemos culpar a nós próprios, pois acho que éramos a melhor equipa da liga", disse o técnico, que abandona a Rússia neste final de temporada, nada revelando sobre o seu futuro próximo.

Para André Villas-Boas, o Zenit "jogou bem no capítulo ofensivo e marcou muitos golos", mas falhou em momentos cruciais: "Cometemos muitos erros e empatámos jogos em casa que nos fizeram perder muitos pontos".

Admitiu ainda um regresso, mais tarde, ao campeonato russo: "Espero voltar, mas isso não depende só de mim".

A equipa em que alinham os portugueses Luís Neto e Danny, assim como alguns ex-jogadores de FC Porto e Benfica, como Hulk, Witsel e Garay, é terceira classificada no campeonato russo, com 56 pontos, quatro atrás do Rostov e a seis do CSKA, que no próximo fim de semana decidem qual será o campeão.

Na mesma entrevista, Villas-Boas explicou ainda ter deixado a família em Portugal por não querer que "tivessem que aprender mais uma cultura", embora, ele próprio se confesse admirado pela franqueza da atitude do povo russo: "Não são hipócritas, aqui é preto ou branco, não há zonas cinzentas".

Lusa

  • Condutora que atropelou peregrinos "internada compulsivamente"

    País

    A condutora do veículo que hoje atropelou seis peregrinos na Estrada Nacional 365, em Alcanena, apresentava problemas do foro psicológico e teve de ser internada compulsivamente. O atropelamento esta madrugada fez uma vítima mortal, um homem, e feriu cinco pessoas, uma das quais em estado grave.

  • Maduro deve ser reeleito em eleições contestadas pela oposição
    1:46

    Mundo

    Os venezuelanos elegem hoje o Presidente que deverá estar à frente do país até 2025. Há quatro candidatos, mas Nicolás Maduro é o favorito na corrida. A oposição apelou ao boicote e vários países da América e das Caraíbas, os EUA e a UE já avisaram que não reconhecerão resultados de uma eleição que não é livre nem transparente.

  • A solução de Elon Musk para os engarrafamentos em Los Angeles
    1:23