sicnot

Perfil

Desporto

Aston Villa vendido a um grupo chinês por 76,5 milhões de euros

O Aston Villa foi vendido a um grupo chinês, propriedade de Tony Jiantong Xia, num negócio a rondar os 86 milhões de dólares (76,5 milhões de euros), anunciou hoje o clube de futebol de Birmingham.

© Reuters Staff / Reuters

Na sequência de uma época desastrosa, em que só somou três vitórias em 38 jogos, o Aston Villa não conseguiu manter-se na 'Premier League', sendo relegado para o 'Championship' (segundo escalão), o que não desencorajou Jiantong Xia a investir no clube.

O proprietário do clube, Randy Lerner, cuja base de negócios é nos Estados Unidos, já o tinha tentado vender nos últimos dois anos e só agora conseguiu arranjar um comprador depois de baixar significativamente o preço que pedia para 76,5 milhões de euros.

"O Aston Vila tem o prazer de anunciar ter chegado a acordo para a venda de cem por cento das ações de Randy Lerner para o grupo Recon, propriedade de Tony Jiantong Xia, venda essa que está sujeita a aprovação da 'Premier League' e da Liga de futebol", informou o clube em comunicado.

Uma vez consumada a aprovação da venda por esses dois organismos, bem como dos membros do novo conselho de administração, de acordo com os regulamentos em vigor, Jantong Xia tornar-se-á novo presidente do Aston Villa.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.