sicnot

Perfil

Desporto

PSP garante efetivo necessário para segurança da final da Taça da Liga

O subintendente António Monteiro, da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Coimbra, garantiu hoje os efetivos necessários para a segurança da final da Taça da Liga de futebol, na sexta-feira, entre o Marítimo e o Benfica.

HOMEM DE GOUVEIA

"A polícia vai ter todos os meios necessários nas várias valências que temos disponíveis, desde a ordem pública, investigação criminal, acompanhamento de claques, fiscalização e trânsito, para fazer face, de forma eficaz e eficiente, a qualquer situação que possa ocorrer", disse o oficial, na conferência de imprensa de apresentação do plano de segurança.

António Monteiro referiu que o jogo tem uma classificação de algum risco, "atendendo à lotação do estádio de 28.878 lugares e às normas em vigor, mas isso não implica que a festa não se faça".

No dia do jogo, as portas do Estádio Cidade de Coimbra abrem às 17:45, a duas horas do início da final, e o trânsito e o estacionamento vão estar condicionados nas ruas circundantes a partir das 15:00.

"Aconselhamos aos adeptos que, se possível, venham com tempo e deixem as viaturas particulares afastadas do estádio, estacionando onde for possível, para depois terem uma caminhada calma e serena para o recinto de jogo", apelou.

Na mesma conferência, a diretora de Competições da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Helena Pires, anunciou que os adeptos do Marítimo vão ser instalados no setor sul do Estádio Cidade de Coimbra, enquanto os apoiantes do Benfica entram pelo topo norte.

A responsável aconselhou também os adeptos a deslocarem-se cedo para o estádio e participarem no "ambiente de festa que vai ser preparado para as famílias e assistirem à cerimónia no relvado", antes do apito inicial da partida.

O jogo da final da Taça da Liga disputa-se pelas 19:45 de sexta-feira no Estádio Cidade de Coimbra, com arbitragem de Fábio Veríssimo, da Associação de Futebol de Leiria.

Lusa

  • Mais de 1600 fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado fez mais de 1600 ações de fiscalização a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público. Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.