sicnot

Perfil

Desporto

Adepto de futebol italiano condenado a 26 anos de prisão por matar um rival

Um tribunal sentenciou hoje um dos mais violentos adeptos italianos a 26 anos de prisão, considerando-o culpado pela morte de um rival, antes da disputa da final da Taça de Itália de futebol.

© Tony Gentile / Reuters

Daniele De Santis, um 'ultra' da AS Roma, foi condenado por ter disparado sobre Ciro Esposito, que faleceu 53 dias depois, durante os confrontos com os adeptos do Nápoles, que se encontravam na capital italiana para assistirem à final da Taça, que oporia os napolitanos à Fiorentina, em 2014.

Os advogados de De Santis argumentaram, sem sucesso, que o autor dos disparos tê-lo-ia feito "em defesa própria", tendo visto o juiz sentenciar ainda o pagamento de uma indemnização à família de Esposito.

"Perdoei o Daniele no dia a seguir aos confrontos, nunca senti ódio por ele, apenas reclamei justiça", disse a mãe de Esposito, Antonella Leardi, aos repórteres após a leitura da sentença.

O juiz sentenciou ainda dois adeptos do Nápoles, envolvidos nos incidentes violentos ocorridos no bairro Tor di Quinto, em Roma, a oito meses de prisão, menos do que os três anos solicitados pela acusação.

Durante os incidentes, cinco polícias ficaram feridos, a partida foi atrasada cerca de 45 minutos e acabou com a vitória do Nápoles, por 3-1, após 90 minutos quase em silêncio.

Lusa

  • Adeptos não devem transformar frustação em agressividade
    4:41

    Desporto

    Sporting ou Benfica vão festejar este domingo a conquista do campeonato nacional de futebol. Fora das quatro linhas, em jogo, estão sempre muitas emoções: explosões de alegria ou a mais profunda das desilusões. Porque um adepto deve estar preparado para tudo é importante saber lidar com a frustação. A psicóloga Margarida Cordo deixou algumas dicas na Edição da Noite da SIC Notícias: "não transformar a frustação em agressividade, porque às vezes a frustação é uma oportunidade de exprimirmos sentimentos negativos de outra ordem que nada têm a ver com o futebol".

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.