sicnot

Perfil

Desporto

Rússia anuncia afastamento de atletas com historial de doping dos Jogos Olímpicos

A Federação Russa de Atletismo (FRA) anunciou esta terça-feira que os atletas russos que tenham recorrido a substâncias dopantes serão impedidos de representar o país nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, com início a 5 de agosto.

© Jim Young / Reuters

A medida faz parte das alterações introduzidas pela FRA aos critérios de seleção dos membros da equipa olímpica nacional, que terão ainda de ser aprovados pelo Comité Olímpico da Rússia.

"A FRA tomou esta decisão difícil com um objetivo: tudo fazer para que os atletas sem historial de recurso ao doping possam participar nos Jogos Olímpicos de 2016", indica a organização, em comunicado, sem especificar se a medida abrange os atletas que tiveram controlos positivos, mas que entretanto já cumpriram a correspondente sanção.

"Fizemos um trabalho enorme para possibilitar aos atletas russos voltarem a competir na arena internacional", comentou a FRA em comunicado.

Hoje, a televisão russa Match TV revelou os nomes de 14 desportistas russos que figuram na lista de novos casos positivos de doping nos Jogos Olímpicos Pequim2008, oito dos quais medalhados na competição.

Onze dos 14 atletas são federados da FRA, incluindo Anna Chicherova (bronze no salto em altura em 2008 e ouro em Londres 2012), Anastasia Kapachinskaya e Tatyana Fírova (vice-campeãs em estafeta 4x400 m), Denis Nizhegorodov (bronze nos 50 km marcha em 2008 e prata em 2004) e Maria Abakumova (prata no lançamento do dardo).

Da lista fazem também parte Ekaterina Volkova (prata nos 3.000 m obstáculos), Inga Abitova (campeã da Europa de 10 km marcha em 2005 e 2006), Yulia Chermoshanskaya (campeã da Europa de 4x400 m em 2010 e 2011), Alexander Pogorélov (bronze no decatlo nos Mundiais em Berlim 2009), Denis Alekseev (4x400 m) e Ivan Yushkov (lançamento do peso).

Em novembro de 2015, uma comissão independente da Agência Mundial Antidoping (AMA) elaborou um relatório que denunciou "doping organizado" em grande escala na Rússia, o que levou a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) a suspender a filiada russa de todas as competições internacionais.

O organismo decidirá a 17 de junho se a Rússia é readmitida com todos os direitos no atletismo internacional.

Em março, a IAAF já tinha adiado para maio uma "decisão definitiva" sobre a situação, que tem impedido a presença de atletas russos em competições internacionais e levou a novas localizações para eventos que estavam atribuídos à Rússia.

Na ocasião, foi dito que a federação russa ainda tinha meses de trabalho pela frente para cumprir todos os critérios de luta antidopagem.

Por imposição da IAAF, a Rússia elegeu novo presidente para a federação, alterou o funcionamento a agência antidopagem do país e afastou os treinadores envolvidos na dopagem maciça.

Desde o início do ano, a AMA contabilizou 172 casos de doping por meldonium, entre ao quais cerca de 40 atletas russos, entre eles a tenista Maria Sharapova, desde que a substância começou a fazer parte da lista de substâncias proibidas.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.