sicnot

Perfil

Desporto

Sócios do Desportivo de Chaves passam a pagar cinco euros em todos os jogos

O Desportivo de Chaves aprovou hoje, em assembleia geral, a alteração do valor das quotas e estabeleceu, pela primeira vez na sua história, que os sócios paguem cinco euros em todos os jogos da equipa de futebol.

ESTELA SILVA / Lusa

Até agora, os sócios do clube cuja equipa assegurou a subida à I Liga, pagavam as quotas e entravam livremente nos jogos, exceto nos denominados dias do clube, em que pagavam cinco euros para assistir.

O presidente da direção, Bruno Carvalho, disse que as quotas, que se mantiveram inalteradas de 2011 a 2016, servem para pagar os funcionários, as contas, os impostos, os seguros, os treinadores, os enfermeiros e as despesas do futebol juvenil e das modalidades amadoras.

"Durante cinco anos nem um cêntimo das quotas foi encaminhado para o futebol profissional que continuará a ser suportado pelo investidor do Desportivo de Chaves, Francisco Carvalho", afirmou.

No regresso ao convívio com os 'grandes' 17 anos depois da última presença, o clube de Trás-os-Montes decidiu aumentar o valor das quotas para as mulheres de 50 para 100 euros.

Os reformados e emigrantes - estes com direito a assistir a cinco jogos da I Liga - também vão pagar mais 25 euros, passando de 50 para 75 euros.

Os sócios com lugar cativo na bancada central coberta sofrem um aumento de 25 euros, pagando 150 euros em vez dos 125.

Já os menores e atletas do clube vão ter um aumento de 10 euros, passando de 20 para 30 euros, para a bancada central descoberta e topo sul. Na bancada central coberta, o aumento é de 30 euros, estabelecendo-se o valor da quota em 50 euros.

Os menores de três anos, apesar de não poderem assistir aos espetáculos desportivos, passam a pagar 10 euros, ao invés dos anteriores cinco euros.

A quota principal para adultos não sofreu alterações, sendo de 100 euros para a bancada central coberta, 60 para a descoberta e 50 para o topo sul.

A proposta de alteração de quotas para a época 2016/17 foi aprovada com 969 votos a favor, 326 contra e 228 abstenções.

O presidente do clube avançou que na próxima temporada os bilhetes para os jogos em casa estarão disponíveis duas semanas antes, pedindo aos sócios para se habituarem a comprar o bilhete o quanto antes e não no dia do jogo.

E acrescentou: "a revista às pessoas será obrigatória".

Além disso, a assembleia geral aprovou a remuneração dos sócios.

"Menos de metade dos sócios têm as quotas em dia, por isso, todos os que pretenderem atualizá-las podem faze-lo até dia 09 de junho nos serviços administrativos para manter o seu número", explicou o presidente da direção.

Lusa

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bastidores do sambódromo: um espétaculo à parte
    3:22
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.