sicnot

Perfil

Desporto

Queiroz permanece na seleção do Irão com apoio do Governo e da federação

O português Carlos Queiroz vai permanecer no cargo de selecionador de futebol do Irão, depois de ter recebido o apoio do governo e da federação iraniana, na sequência do pedido de demissão apresentado em fevereiro.

© Ivan Alvarado / Reuters

"Todos os problemas que identificámos foram considerados de resolução urgente. Ao longo de várias reuniões, o presidente Mehdi Taj mostrou um grande comprometimento com as exigências normais de uma seleção que se quer presente no Campeonato do Mundo, acabando agora por demonstrar, através de carta oficial, grande confiança e otimismo no futuro", afirmou o treinador português, citado pela sua assessoria de imprensa.

Em 14 de fevereiro último, Queiroz, que comanda a seleção asiática desde 2011, apresentou o seu pedido de demissão por não estarem reunidas as condições para levar o Irão ao Mundial2018, solicitando a rescisão amigável a 30 de abril, uma decisão que agora revogou.

"Este sinal deixa-nos esperançados. Ao mesmo tempo, o governo iraniano também já fez saber publicamente que o apoio à seleção é uma causa nacional. Vamos continuar com o mesmo empenho de sempre, mas com um otimismo renovado, que resulta do simples facto de sentirmos que a seleção iraniana será verdadeiramente apoiada", concluiu Queiroz.

Ainda de acordo com a assessoria de imprensa do técnico, o novo presidente da federação iraniana de futebol, Mehdi Taj, oficializou por carta a recusa ao pedido de demissão de Queiroz, garantindo total apoio na busca de melhores condições de trabalho para a seleção.

O Irão vai estrear-se no apuramento para o Mundial2018 frente ao Qatar, em setembro, no seu primeiro jogo do grupo A da terceira fase de qualificação asiática, que integra ainda a Coreia do Sul, a Síria, o Uzbequistão e a China.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.