sicnot

Perfil

Desporto

Queiroz permanece na seleção do Irão com apoio do Governo e da federação

O português Carlos Queiroz vai permanecer no cargo de selecionador de futebol do Irão, depois de ter recebido o apoio do governo e da federação iraniana, na sequência do pedido de demissão apresentado em fevereiro.

© Ivan Alvarado / Reuters

"Todos os problemas que identificámos foram considerados de resolução urgente. Ao longo de várias reuniões, o presidente Mehdi Taj mostrou um grande comprometimento com as exigências normais de uma seleção que se quer presente no Campeonato do Mundo, acabando agora por demonstrar, através de carta oficial, grande confiança e otimismo no futuro", afirmou o treinador português, citado pela sua assessoria de imprensa.

Em 14 de fevereiro último, Queiroz, que comanda a seleção asiática desde 2011, apresentou o seu pedido de demissão por não estarem reunidas as condições para levar o Irão ao Mundial2018, solicitando a rescisão amigável a 30 de abril, uma decisão que agora revogou.

"Este sinal deixa-nos esperançados. Ao mesmo tempo, o governo iraniano também já fez saber publicamente que o apoio à seleção é uma causa nacional. Vamos continuar com o mesmo empenho de sempre, mas com um otimismo renovado, que resulta do simples facto de sentirmos que a seleção iraniana será verdadeiramente apoiada", concluiu Queiroz.

Ainda de acordo com a assessoria de imprensa do técnico, o novo presidente da federação iraniana de futebol, Mehdi Taj, oficializou por carta a recusa ao pedido de demissão de Queiroz, garantindo total apoio na busca de melhores condições de trabalho para a seleção.

O Irão vai estrear-se no apuramento para o Mundial2018 frente ao Qatar, em setembro, no seu primeiro jogo do grupo A da terceira fase de qualificação asiática, que integra ainda a Coreia do Sul, a Síria, o Uzbequistão e a China.

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.