sicnot

Perfil

Desporto

FC Porto rescinde contrato com José Peseiro

O FC Porto anunciou hoje a rescisão contratual com o treinador da equipa de futebol, José Peseiro, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Lusa

"A Futebol Clube do Porto -- Futebol, SAD, vem informar o mercado que chegou a acordo com o treinador da equipa principal de futebol, José Peseiro, para a cessação do seu vínculo contratual no final da presente época desportiva", lê-se na nota tornada pública.

José Peseiro chegou aos dragões a 20 de janeiro, para substituir no cargo o espanhol Julen Lopetegui, tendo terminado a época no terceiro lugar na I Liga (a 15 pontos do tricampeão Benfica e a 13 do Sporting, segundo classificado) e foi finalista derrotado na Taça de Portugal, frente ao Sporting de Braga.

Na altura, conforme comunicado da SAD ao mercado, o treinador ribatejano assinou um contrato válido por época e meia, isto é, até junho de 2017, com mais uma época de opção.

Às ordens de José Peseiro, no campeonato, o FC Porto conseguiu 11 vitórias e sofreu cinco das sete derrotas da época, três das quais em casa: Arouca (1-2), Tondela (1-2) e Sporting (1-3).

Em termos europeus, a equipa, despromovida à Liga Europa ainda sob o comando de Lopetegui, não passou dos 16 avos de final, batido nos dois jogos da eliminatória pelo Borussia de Dortmund (2-0 fora e 1-0 em casa).

No que podia ter sido o troféu de consolação e de alguma comunhão entre Peseiro, a direção e a massa associativa, os dragões perderam a final da Taça de Portugal, no fecho da época, frente ao Sporting de Braga, numa partida resolvida no desempate por penáltis e depois de os azuis e brancos terem recuperado de dois golos sem resposta ainda no tempo regulamentar.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".