sicnot

Perfil

Desporto

Conselho de Justiça considera conduta violenta o gesto de Slimani sobre Samaris

O acórdão do Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) revela que a punição, com um jogo de suspensão, ao argelino Slimani, do Sporting, se deveu a "conduta violenta" sobre o grego Samaris, do Benfica.

ESTELA SILVA

A decisão do CJ, hoje tornada pública, e que se refere ao lance entre os dois jogadores, em jogo da Taça de Portugal, a 21 de novembro do ano passado e vencido pelo Sporting, por 2-1, surge na sequência de um recurso dos encarnados, após absolvição do argelino em sede de Disciplina da Liga.

Os juízes federativos, porém, não consideraram globalmente a acusação encarnada, que apontava para agressão do jogador, tendo concluído que Slimani foi protagonista de "conduta violenta", aplicando-lhe a sanção prevista no artigo 154.º do Regulamento Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), ou seja, quando "atua com força excessiva ou violência contra um adversário quando não estão a disputar a bola".

Foi precisamente a diferença conceptual entre agressão e conduta violenta que motivou várias páginas do acórdão do CJ, que dá como provado o gesto irregular de Slimani sobre Samaris, a sua intenção em o afastar com risco para a sua integridade física, assim como o facto de os árbitros do encontro, liderados por Jorge Sousa, não terem visto o lance, podendo o mesmo ser apreciado com recurso a imagens televisivas.

Em suma, esta decisão do CJ revoga a deliberação do Conselho de Disciplina, de 8 de abril, que julgou improcedente a acusação benfiquista e, em consequência, absolveu Islam Slimani, mas não deu como provada a intenção do argelino em agredir o adversário.

"Factos não provados: que o arguido tenha corrido na direção do jogador do Benfica, atingindo-o com o braço direito na nuca e agindo livre e conscientemente", lê-se.

Segundo o CJ, "perante as dúvidas sobre a existência de uma intenção de agredir, fica afastada a possibilidade de enquadrar a conduta do jogador Islam Slimani no artigo 151.º do Regulamento Disciplinar", que pune as agressões.

"Mas, a factualidade provada, em que o gesto com o braço contra a nuca do jogador Andreas Samaris foi praticado com a intenção de o afastar mas criou risco para a integridade física deste", o que integra os pressupostos do artigo 154.º, que define a conduta violenta.

Recordamos que, para o CD da Liga, não tinha ficado provado que Slimani tenha corrido na direção de Samaris e o tenha atingido com o braço direito na nuca, agindo de forma livre e consciente.

Depois observar as imagens do encontro e após ouvir Jorge Sousa, árbitro do encontro, o CD também entendeu que nenhum dos elementos da equipa de arbitragem - assistentes e quarto árbitro incluídos - viu a situação, contrariando a defesa de Slimani.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.