sicnot

Perfil

Desporto

Conselho de Justiça considera conduta violenta o gesto de Slimani sobre Samaris

O acórdão do Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) revela que a punição, com um jogo de suspensão, ao argelino Slimani, do Sporting, se deveu a "conduta violenta" sobre o grego Samaris, do Benfica.

ESTELA SILVA

A decisão do CJ, hoje tornada pública, e que se refere ao lance entre os dois jogadores, em jogo da Taça de Portugal, a 21 de novembro do ano passado e vencido pelo Sporting, por 2-1, surge na sequência de um recurso dos encarnados, após absolvição do argelino em sede de Disciplina da Liga.

Os juízes federativos, porém, não consideraram globalmente a acusação encarnada, que apontava para agressão do jogador, tendo concluído que Slimani foi protagonista de "conduta violenta", aplicando-lhe a sanção prevista no artigo 154.º do Regulamento Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), ou seja, quando "atua com força excessiva ou violência contra um adversário quando não estão a disputar a bola".

Foi precisamente a diferença conceptual entre agressão e conduta violenta que motivou várias páginas do acórdão do CJ, que dá como provado o gesto irregular de Slimani sobre Samaris, a sua intenção em o afastar com risco para a sua integridade física, assim como o facto de os árbitros do encontro, liderados por Jorge Sousa, não terem visto o lance, podendo o mesmo ser apreciado com recurso a imagens televisivas.

Em suma, esta decisão do CJ revoga a deliberação do Conselho de Disciplina, de 8 de abril, que julgou improcedente a acusação benfiquista e, em consequência, absolveu Islam Slimani, mas não deu como provada a intenção do argelino em agredir o adversário.

"Factos não provados: que o arguido tenha corrido na direção do jogador do Benfica, atingindo-o com o braço direito na nuca e agindo livre e conscientemente", lê-se.

Segundo o CJ, "perante as dúvidas sobre a existência de uma intenção de agredir, fica afastada a possibilidade de enquadrar a conduta do jogador Islam Slimani no artigo 151.º do Regulamento Disciplinar", que pune as agressões.

"Mas, a factualidade provada, em que o gesto com o braço contra a nuca do jogador Andreas Samaris foi praticado com a intenção de o afastar mas criou risco para a integridade física deste", o que integra os pressupostos do artigo 154.º, que define a conduta violenta.

Recordamos que, para o CD da Liga, não tinha ficado provado que Slimani tenha corrido na direção de Samaris e o tenha atingido com o braço direito na nuca, agindo de forma livre e consciente.

Depois observar as imagens do encontro e após ouvir Jorge Sousa, árbitro do encontro, o CD também entendeu que nenhum dos elementos da equipa de arbitragem - assistentes e quarto árbitro incluídos - viu a situação, contrariando a defesa de Slimani.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59