sicnot

Perfil

Desporto

Equipa de refugiados nos Jogos Olímpicos com 10 atletas

O Comité Olímpico Internacional revelou a primeira equipa de refugiados a participar nos Jogos Olímpicos. A equipa terá 10 membros e 12 oficiais e irão competir sob a bandeira Olímpica.

A síria Yusra Mardini é uma das dez atletas da equipa de refugiados que vai competir nos Jogos Olímpicos de 2016.

A síria Yusra Mardini é uma das dez atletas da equipa de refugiados que vai competir nos Jogos Olímpicos de 2016.

© Fabrizio Bensch / Reuters

A equipa inclui cinco atletas do Sudão do Sul, dois da Síria, dois da República Democrática do Congo e um da Etiópia.

"Estes refugiados não têm casa, equipa, bandeira ou hino nacional", disse Thomas Bach, o presidente do Comité, naquilo que chamou de um "dia histórico".

"A criação desta equipa serve para lhes dar uma casa na cidade Olímpica, junto com todos os outros atletas que vêm de todos os cantos do mundo".

Os atletas, seis homens e quatro mulheres, vão competir em natação, judo e atletismo.

"O hino Olímpico vai ser tocado em sua honra e a bandeira Olímpica vai levá-los ao Estádio", disse Bach.

"Este pode ser o símbolo de esperança para todos os refugiados à volta do mundo."

"Eles vão mostrar ao mundo que apesar da tragédia que enfrentaram, qualquer pessoa pode contribuir para a sociedade, com talentos, competências e a força do espírito humano", Bach terminou o discurso, onde tentou chamar a atenção do mundo para o drama dos refugiados.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.