sicnot

Perfil

Desporto

Políticos espanhóis expressam elogios fúnebres a Luis Salom

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, lamentou hoje a morte do piloto Luis Salom, em consequência de um acidente sofrido nos treinos livres do Grande Prémio da Catalunha de Moto2, sétima prova do Mundial de Motocilismo de velocidade.

© REUTERS FILE PHOTO / Reuters

O chefe do Governo enviou um telegrama à Real Federação Espanhola de Motociclismo, na qual estende as suas condolências à família do piloto natural de Maiorca, assim como à equipa de Salom.

"A paixão de Luis pelas motas fez com que, desde a sua estreia no Grande Prémio da Espanha, em 2009, levasse aos circuitos a elegância de um campeão, que se treinava com uma dedicação total, para ser cada dia melhor", escreveu Rajoy.

Pedro Sánchez, líder do PSOE, Pablo Iglesias, do Podemos e Alberto Rivera, do Ciudadanos, também se juntaram aos elogios fúnebres tornados públicos.

O espanhol Luis Salom tinha 24 anos, pilotava uma Kalex e estreou-se no Mundial de motociclismo de velocidade em 2009, na categoria de 125cc, tendo como melhor resultado no campeonato de Moto3 o segundo lugar obtido em 2012.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.