sicnot

Perfil

Desporto

Obras em atraso e vírus Zika preocupam analistas a dois meses do Rio 2016

O temor de alguns desportistas que vão competir nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em relação ao vírus Zika e o atraso na construção do velódromo ainda preocupam analistas, a dois meses do início da prova.

© Nacho Doce / Reuters

No domingo, faltam somente dois meses para o arranque dos Jogos Olímpicos, mas o país está mergulhado numa crise política e económica que ocupa a opinião pública brasileira.

A crise económica, a maior desde os anos 1930, e o afastamento da Presidente, Dilma Rousseff, num processo de 'impeachment' marcam a agenda mediática do país, obrigando a organização a reduzir os gastos anunciados para os Jogos Olímpicos.

A violência nas ruas do Rio de Janeiro, os atrasos na construção de uma linha de metropolitano e as dificuldades financeiras do governo estadual para pagar horas extraordinárias aos elementos de segurança são outras das preocupações, elencadas pela agência noticiosa Efe.

No entanto, o vírus Zika é a questão mais sensível para os participantes. Nos últimos dias, um grupo de 150 especialistas em saúde pública pediu o adiamento dos Jogos Olímpicos ou a mudança de local, para evitar a propagação da doença para todo o mundo.

Alguns atletas já admitiram que podem não participar na prova, com receio da doença, como é o caso do basquetebolista Pau Gasol.

Em resposta, o ministro brasileiro da Saúde, Ricardo Barros, considerou um exagero esse pedido e alegou que todos os estudos científicos mostram que as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti têm uma prevalência mínima em agosto, durante o período de inverno no Hemisfério Sul.

Pedir o adiamento é "um excesso de zelo. A doença está em 60 países e onde vivem 1,3 milhões de pessoas. Não serão uns Jogos Olímpicos que aumentarão ou reduzirão a propagação do vírus", justificou.

Numa visita na quarta-feira ao Rio de Janeiro, uma equipa do Comité Olímpico Internacional admitiu que o velódromo é o único equipamento com obras em atraso.

"A pista foi montada há um mês. O que faltam são complementos da instalação", disse Carlos Arthur Nuzman, presidente do comité organizador.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.