sicnot

Perfil

Desporto

Obras em atraso e vírus Zika preocupam analistas a dois meses do Rio 2016

O temor de alguns desportistas que vão competir nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em relação ao vírus Zika e o atraso na construção do velódromo ainda preocupam analistas, a dois meses do início da prova.

© Nacho Doce / Reuters

No domingo, faltam somente dois meses para o arranque dos Jogos Olímpicos, mas o país está mergulhado numa crise política e económica que ocupa a opinião pública brasileira.

A crise económica, a maior desde os anos 1930, e o afastamento da Presidente, Dilma Rousseff, num processo de 'impeachment' marcam a agenda mediática do país, obrigando a organização a reduzir os gastos anunciados para os Jogos Olímpicos.

A violência nas ruas do Rio de Janeiro, os atrasos na construção de uma linha de metropolitano e as dificuldades financeiras do governo estadual para pagar horas extraordinárias aos elementos de segurança são outras das preocupações, elencadas pela agência noticiosa Efe.

No entanto, o vírus Zika é a questão mais sensível para os participantes. Nos últimos dias, um grupo de 150 especialistas em saúde pública pediu o adiamento dos Jogos Olímpicos ou a mudança de local, para evitar a propagação da doença para todo o mundo.

Alguns atletas já admitiram que podem não participar na prova, com receio da doença, como é o caso do basquetebolista Pau Gasol.

Em resposta, o ministro brasileiro da Saúde, Ricardo Barros, considerou um exagero esse pedido e alegou que todos os estudos científicos mostram que as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti têm uma prevalência mínima em agosto, durante o período de inverno no Hemisfério Sul.

Pedir o adiamento é "um excesso de zelo. A doença está em 60 países e onde vivem 1,3 milhões de pessoas. Não serão uns Jogos Olímpicos que aumentarão ou reduzirão a propagação do vírus", justificou.

Numa visita na quarta-feira ao Rio de Janeiro, uma equipa do Comité Olímpico Internacional admitiu que o velódromo é o único equipamento com obras em atraso.

"A pista foi montada há um mês. O que faltam são complementos da instalação", disse Carlos Arthur Nuzman, presidente do comité organizador.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31