sicnot

Perfil

Desporto

Artur Soares Dias considerado o melhor árbitro da Liga 2015/16

O portuense Artur Soares Dias foi o melhor árbitro da Liga 2015/16, da qual pode resultar a descida do internacional algarvio Sérgio Piscarreta, segundo as classificações esta segunda-feira reveladas pela Comissão de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol.

(Arquivo)

(Arquivo)

Paulo Duarte / AP

Os resultados indicam que Artur Soares Dias se estreia como melhor árbitro em Portugal, com uma média de 3,419, seguido de João Capela (3,395) e de Nuno Almeida (3,383).

Artur Soares Dias dirigiu esta época três clássicos e a final da Taça de Portugal.

Um ano depois de o internacional Marco Ferreira ter descido de categoria, agora é Sérgio Piscarreta, 20.º de uma lista de 21 avaliados, que pode seguir o mesmo caminho, embora ainda possa ser salvo pela próxima comissão de arbitragem, que toma posse na terça-feira e que vai ter de resolver as situações de Jorge Sousa e de Vasco Santos.

Ambos os árbitros, que tiveram diferentes períodos de lesão durante a época, ficaram sem classificação, pelo que a equipa que será liderada por José Fontelas Gomes vai ter de decidir o que fazer.

"A insuficiência de elementos classificativos recolhidos durante a época, para apuramento da classificação final, determinará a baixa de categoria", determina o ponto quatro do capítulo I das Normas Genéricas.

Ainda assim, o ponto seguinte diz que a norma pode não ser aplicada caso essa insuficiência "resulte de incapacidade para atuar por motivo de saúde, lesão ao serviço da arbitragem ou gravidez, comprovada por relatório médico e aceite por deliberação do Conselho de Arbitragem".

Será, pois, a nova equipa da arbitragem a decidir o que fazer, o que deixa vários profissionais na dúvida quanto ao seu futuro.

Sérgio Piscarreta foi 20.º com 3,227, apenas 'superado' por André Moreira (3,209) e antes de Cosme Machado (3,230), igualmente pendente da decisão quanto aos outros colegas de profissão.

Uma vez que Duarte Gomes abandonou a carreira, haverá mais um árbitro a subir, à semelhança do que sucedeu na época passada.

Nesta altura, o abandono de Pedro Proença, Olegário Benquerença e Paulo Baptista determinou a subia de seis 'juízes', nomeadamente três para substituir o trio que desceu e outros tantos para os que terminaram a carreira.

Assim sendo, Gonçalo Martins, Hélder Malheiro, João Mendes e João Borlido Matos serão os quatro árbitros a subir.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.