sicnot

Perfil

Desporto

Escolas russas vão ter aulas obrigatórias sobre luta antidopagem

As escolas da Rússia vão ter aulas obrigatórias sobre a luta antidopagem, no âmbito de uma campanha que pretende mudar a atitude da sociedade relativamente ao doping, anunciaram hoje as autoridades russas.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Maxim Shemetov / Reuters

Em comunicado, o ministro do Desporto russo esclareceu que as aulas farão parte da disciplina de educação física e abrangerão milhões de jovens em toda a Rússia, de modo a incutir "um espírito de ética e transparência na juventude russa".

De acordo com Vitali Mutko, o programa será aplicado a partir do próximo ano escolar e começará com lições que visam inculcar aos profissionais do desporto e da saúde os valores desportivos, para que estes percebam que "a dopagem é inaceitável".

A etapa seguinte inclui uma formação suplementar, destinada aos médicos, ao pessoal médico, aos treinadores e a todos aqueles que trabalham com federações desportivas.

"Trabalhamos com afinco de modo a assegurar que o desporto russo seja próprio e justo e a educação da próxima geração de atletas é crucial. Estamos conscientes que para obter verdadeiras mudanças, devemos sensibilizar os atletas quanto a estas problemáticas desde o início das suas carreiras", defendeu no comunicado Natalia Jelanova, a conselheira do ministro do Desporto.

A Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), que suspendeu a Rússia de todas as competições internacionais, tomará uma decisão quanto à participação da seleção russa nos Jogos Olímpicos do Rio2016 a 17 de junho.

A suspensão foi implementada na sequência do escândalo de dopagem generalizada no atletismo russo, revelado em novembro num relatório da Agência Mundial Antidopagem (AMA).

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20