sicnot

Perfil

Desporto

Irregularidade no asfalto na origem do acidente de Luis Salom

A telemetria da moto de Luis Salom, hoje divulgada, indica que a passagem sobre uma irregularidade no asfalto com o travão acionado, à velocidade de uma volta rápida, provocou o acidente fatal do espanhol nos treinos livres de Moto2.

© Heino Kalis / Reuters

De acordo com os dados fornecidos pela equipa de Salom, o piloto chegou à zona de travagem para a curva 12 do circuito da Catalunha, palco da sétima prova do Mundial de motociclismo de velocidade, seis km/h mais lento do que na sua volta rápida, o que o levou a travar nove metros mais tarde do que o habitual.

"Na entrada desta curva existe uma irregularidade no asfalto, conhecida de todos os pilotos, e o atraso na travagem fez com que o Luis Salom tivesse mantido o travão acionado ao passar por cima dela, ao contrário da maioria das voltas anteriores, em que soltou antes o travão", informou a equipa.

O facto de manter a moto em travagem e passar sobre aquela irregularidade a velocidade idêntica à de uma volta rápida "provocou uma pressão excessiva sobre o pneu dianteiro e uma perda de aderência, que provocou a sua queda, com o resultado trágico que é conhecido".

Salom morreu na sexta-feira, aos 24 anos, em consequência de um acidente sofrido nos treinos livres do Grande Prémio da Catalunha de Moto2, que foi suspensa a 24 minutos do fim e nos quais participou o piloto português Miguel Oliveira.

De acordo com a organização do Mundial, Salom foi assistido pelos médicos presentes no circuito, mas devido à gravidade dos ferimentos, foi transportado de ambulância para o Hospital Central da Catalunha, onde foi decretado o óbito.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.