sicnot

Perfil

Desporto

Mourinho em julgamento depois de médica do Chelsea rejeitar acordo

O treinador português José Mourinho enfrenta uma ação no tribunal de trabalho, movida pela antiga médica do Chelsea Eva Carneiro, depois de esta ter recusado um acordo no valor de 1,2 milhões de libras (1,5 milhões de euros).

WILL OLIVER

Mourinho, novo treinador do Manchester United, deverá ser ouvido pelo menos um dia durante o julgamento.

A médica moveu uma ação contra o Chelsea, que a despediu, e uma outra contra José Mourinho, técnico que deixou os blues em dezembro e na qual Carneiro alega comportamento discriminatório por parte do português.

A ação decorre no tribunal de trabalho do sul de Londres, em Croydon, e é expetável que demore de sete a dez dias.

Eva Carneiro alega ter sido alvo de discriminação sexual por José Mourinho, que a terá insultado num jogo da Liga Inglesa e quando ela entrou no campo para assistir um jogador.

Nos argumentos preliminares apresentados hoje foi feita uma explicação do insulto de José Mourinho, uma expressão que a defesa diz ser habitualmente utilizada pelo técnico e que não é valorizada.

"Filho da p... é uma frase que uso muito, todos os jogadores sabem. Não existe qualquer conotação sexista ao dizer isso", disse o treinador, numa declaração escrita.

Em relação à verba compensatória que foi oferecida pelo clube e por Mourinho à médica, a mesma terá sido formulada apenas no "interesse de todos" em não existir uma litigância entre as partes.

Hoje Eva Carneiro compareceu no tribunal, ao contrário de Mourinho.

O incidente entre ambos remonta a agosto de 2015, quando a médica entrou, juntamente com o fisioterapeuta Jon Fearn, em campo para assistir o médio Eden Hazard, deixando irritado o treinador, num jogo em que o Chelsea empatou.

A situação levou a que perto do final, quando a médica entrou, o clube ficasse reduzido a nove jogadores.

Na ocasião Mourinho disse que tanto Carneiro como Fearn tinham sido "ingénuos e impulsos" e incapazes de entenderem a situação de jogo.

Pouco depois a médica deixou de acompanhar a equipa e mais tarde deixou o clube.

Para terça-feira está agendada nova sessão do julgamento.

Lusa

  • Doze incêndios mobilizam 2.100 operacionais

    País

    Os 12 incêndios que lavram em Portugal esta manhã mobilizam mais de 2.100 operacionais, numa altura em que os fogos de Pedrógrão Grande e Góis estão dados como dominados, mas continuam a mobilizar a maioria dos meios.

  • Seleção de sub-21 precisa de vencer a Macedónia

    Desporto

    A seleção portuguesa de futebol de sub-21 precisa, hoje, de vencer a Macedónia e de marcar pelo menos quatro golos para poder sonhar ainda com a presença nas meias-finais do Europeu da categoria, que decorre na Polónia.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.