sicnot

Perfil

Desporto

Uruguai considera ofensiva a troca do hino do país pelo do Chile na Copa América

A Associação Uruguaia de Futebol (AUF) considerou hoje como "erro grotesco" e "uma ofensa" a troca do hino do país pelo do Chile antes da partida da seleção celeste contra o México, na Copa América de futebol, nos Estados Unidos.

© Andres Stapff / Reuters

"Consideramos uma ofensa à AUF, aos nossos futebolistas e aos uruguaios, pois trata-se de um momento muito especial que antecede qualquer partida", afirmou o presidente do organismo que superintende a modalidade naquele país, Wilmar Valdez, dirigindo-se, em comunicado, à organização norte-americana da prova.

Segundo o dirigente, a organização da competição "tem conhecimento do hino nacional do Uruguai", porque na reunião técnica prévia havia sido ouvido o hino correto.

"Por esta razão, achamos que o que aconteceu não foi um simples descuido, mas uma ação muito reprovável", refere a nota da AUF.

Após o incidente, a organização da Copa América pediu desculpa pela confusão entre os hinos chileno e uruguaio, atribuindo-o a "erro humano".

No entanto, a AUF considerou que, apesar das desculpas, a ofensa "é irreversível" e afirma estar "expectante quanto às ações reparadoras" do comité organizador.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.